A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

24/04/2008 12:02

Jovem procura Conselho e diz ser pai de bebê abandonado

Redação

Um homem de 26 anos apresentou-se na noite de ontem ao

Conselho Tutelar em Campo Grande afirmando que é o pai do menino recém-nascido que foi abandonado na segunda-feira, dia 21, na rodoviária da cidade. Segundo o Conselho Tutelar, o homem foi ouvido duas vezes e disse que a mãe da criança sempre o apontou como genitor. Ela, porém, nega.

Ainda de acordo com o Conselho Tutelar, somente um exame de DNA vai precisar a paternidade. A situação será repassada nesta tarde para o juiz da Vara da Infância e Juventude Carlos Alberto Carcete de Almeida que estudar o pedido de exame. A identificação por DNA vai acontecer porque, segundo a mãe, o bebê é fruto de relacionamento com outra pessoa que não sabe da gravidez. A mãe disse que se relacionou com o verdadeiro pai do menino por 2 meses.

Já o homem que se apresentou como o genitor ao Conselho Tutelar disse que durante toda a gravidez, a mãe o apontava como sendo o pai da criança. Os dois eram namorados. Ele confessou aos conselheiros que soube do abandono da criança pela imprensa e ficou chocado. Agora, quer a guarda do bebê que está em um abrigo até que a situação seja resolvida pelo juiz.

Nome - Nesta quinta-feira, a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul divulgou a identidade da mãe. A divulgação da identidade no site da Polícia Civil aconteceu um dia depois de a Justiça decretar sigilo sobre as investigações em torno do caso.

Na quarta-feira, 23, policiais civis e militares, conselheiros tutelares e técnicos judiciários montaram um cerco para que a imprensa não tivesse acesso à identidade da jovem. No período em que foi levada para depoimento na DPCA (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente) permaneceu com uma toalha sobre a cabeça que só tirou na sala do delegado.

Ela também foi ouvida pelo juiz da Vara da Infância e Juventude Carlos Alberto Carcete de Almeida e contou com a proteção para não ser fotografada em momento algum. Técnicos judiciários tomaram o cuidado de pedir o afastamento da imprensa, o que aconteceu.

Segundo o juiz, o cuidado foi necessário porque todos os processos que correm na Vara da Infância e Juventude estão em segredo de Justiça, sejam eles civis ou criminais. Ele solicitou laudos psiquiátricos da mãe para precisar se ela tem condições de ficar com a guarda do menino. A expectativa é que o caso seja resolvido em, no máximo, três meses.

Câmara Federal regulamenta carreira dos agentes comunitários de saúde
Com a presença de agentes comunitários nas galerias da Câmara, os deputados federais concluíram hoje (12) a votação do projeto de lei que regulamenta...
Anvisa libera serviço de vacinação em farmácias de todo o país
Farmácias e drogarias de todo o país vão poder oferecer o serviço de vacinação a clientes. A possibilidade foi garantida em resolução aprovada hoje (...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions