A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

04/11/2009 16:03

Mãe denuncia escola após filho ser "interrogado" por 3h

Redação

A dona-de-casa Maria Lúcia dos Santos, de 37 anos, denunciou a escola municipal Professora Leire Pimentel de Carvalho Corrêa, no Jardim Colibri, em Campo Grande, depois do filho de 10 anos ter sido submetido a interrogatório em sala separada dos demais alunos. O caso ocorreu após três aparelhos celulares, um MP4, moedas e um óculos de sol terem sido furtados de sua sala de aula, na última sexta-feira (30).

A dona-de-casa conta que soube do que ocorreu na escola pela outra filha, que também estuda no local. Segundo Maria, o filho que foi interrogado havia acabado de voltar da educação física, quando encontrou a sala revirada.

Após constatar que alguns pertences de alunos haviam desaparecido, a orientadora levou ele e um colega para uma sala separada, porque os dois haviam chegado 15 minutos atrasados na aula e teriam passado para deixar as mochilas quando não havia mais ninguém na sala.

De acordo com a denúncia feita pela mãe ao CDDH (Centro de Defesa dos Direitos Humanos Marçal de Souza), meia-hora depois de ser levado para a sala reservada o amigo de seu filho saiu chorando.

O garoto, contudo, permaneceu no local por três horas, das 14h às 17h, aos prantos e com febre, sob a ameaça de que a Polícia estava indo para o local, diz a mãe.

Dificuldades - Além do constrangimento a que o filho foi submetido, Maria Lúcia reclama que teve que fazer verdadeira peregrinação para conseguir registrar queixa acerca do caso.

Apenas na terceira vez em que procurou uma delegacia, dessa vez a Depca (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente) é que conseguiu registrar a ocorrência.

Mesmo assim, ela garante que os atendentes tentaram convencê-la a não registrar a queixa contra a escola, sob a alegação de que ela deveria apenas fazer uma reclamação ao Conselho Tutelar.

"No meu entendimento mais uma vez tentaram cercear o meu direito de denunciar o constrangimento ilegal a que o meu filho foi submetido", pontua a mãe.

Ela reclama que, mesmo cinco dias após o ocorrido e de ter denunciado à Polícia e ao centro de direitos humanos o abuso, não recebeu da escola nenhum comunicado sequer sobre o que poderia ter sido considerado mau comportamento do filho.

A diretora da escola foi procurada para esclarecer o caso, mas antes de saber do que se tratava informou que o expediente se encerra às 17h. Por telefone, ela alegou que tinha um compromisso e estava atrasada, por isso só poderia atender o Campo Grande News amanhã (5).

Governo altera datas de teste físico de concurso da Polícia Civil
Foram alteradas as datas para realização da avaliação de aptidão física dos candidatos que continuam a participar do conurso público para escrivão e ...
Mega-Sena acumula e prêmio no sábado pode chegar a R$ 39 milhões
A Mega-Sena mais uma vez ficou sem vencer na noite desta quarta-feira (13) e, assim, acumulou. O prêmio pode subir para R$ 39 milhões no sorteio do p...
Chuva intensa de meteoros terá pico na madrugada de quinta-feira
A chuva de meteoros Geminídeos – uma das mais intensas e brilhantes do ano – vai ocorrer durante a noite de hoje (13) e a madrugada de amanhã (14) e ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions