A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

22/11/2009 11:05

Moradores do Ramez Tebet reclamam de despejo ilegal

Redação

Com as chaves do imóvel na mão desde agosto, na sexta-feira passada a moradora do residencial Ramez Tebet, Lígia Flores, de 30 anos, ficou surpresa ao chegar em casa e perceber que a fechadura havia sido trocada.

Segundo ela, servidores da Agehab (Agência Estadual de Habitação) passaram pelo conjunto em Campo Grande na quinta-feira, modificando as fechaduras ou retirando móveis de 22 famílias que foram contempladas pelo programa habitacional, entregue pelo governo do Estado há 3 meses.

"Até parece que a gente é bandido. Chegaram aqui e foram jogando tudo para fora", reclama a mulher.

Chorando bastante, Lígia conta que estava na casa da mãe, porque o marido viaja a trabalho. Por esse motivo, ela diz que não estava no conjunto quando "passaram para ver quem estava mesmo morando nas casas".

Segundo ela, a única explicação depois do despejo foi que a lista de pessoas consideradas irregulares foi publicada em Diário Oficial do Estado. "Perguntei para eles onde ficava isso, porque eu nunca ouvi falar", lembra.

A Agehab tem feito constantemente vistorias no local, para verificar se as pessoas que receberam os imóveis ocuparam realmente e também para afastar invasores.

Mudança - Lígia garante que recebeu as chaves do próprio governador André Puccinelli, durante inauguração do Ramez Tebet, na saída para São Paulo.

Na versão dela, em seguida foi feita a mudança. "Meus móveis, fogão, geladeira, tudo está lá, trancado". O casal esperava economizar dinheiro suficiente para o acabamento interno dos cômodos, porque o filho "é alérgico a poeira", justifica. "Entregaram para a gente só no reboco, preciso de dinheiro para arrumar direitinho, mas isso não dá direito a eles de despejar a gente", reclama.

Outro morador, Antônio de Jesus, protesta, apesar de não estar entre os despejados. "As pessoas estão desesperadas, chegaram em casa e não puderam entrar. Na Agehab dizem que não tem jeito, que essas casas já tem outros donos agora", comenta.

Antônio lembra que as contas de luz e água dos últimos 3 meses comprovam a ocupação das casas pelas famílias despejadas na sexta-feira.

Lígia diz que está desesperada, porque além de perder a casa, foi avisada que não vai mais poder entrar na fila para tentar outro imóvel popular. "Não sei a quem recorrer, não tenho teto para o meu filho, perdi o que eu tinha de mais importante porque tratam todo mundo como se fosse igual, não se importam se a gente tem problemas, nem perguntam porque eu não estava aqui naquele dia".

O secretário de Habitação, Carlos Marum, foi procurado pelo Campo Grande News, mas não atendeu a ligação.

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions