A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

27/11/2012 16:45

Mortes por dengue cresceram 150% em MS, aponta Ministério

Nícholas Vasconcelos
Levantamento do Ministério da Saúde apontou crescimento das mortes por dengue em MS. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)Levantamento do Ministério da Saúde apontou crescimento das mortes por dengue em MS. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

O número de mortes por dengue aumentou 150% em Mato Grosso do Sul neste ano na comparação ao mesmo período do ano passado, conforme divulgou hoje o Ministério da Saúde. De acordo com o levantamento, este ano foram 5 mortes enquanto no ano passado foram 2 registradas.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, este ano foram duas mortes em Campo Grande e uma em Três Lagoas e outras duas de bolivianos em Corumbá. Este número é contestado pelo Governo do Estado, que não considera as mortes de estrangeiros.

Já o número de casos graves teve redução de 27%, passando de 128 no ano passado para 94 em 2012.
O levantamento aponta que MS acompanha a redução dos casos graves, que em todo país teve queda de 64% na comparação com o ano passado. Nacionalmente foram 17.027 registrados de janeiro ao inicio de novembro, enquanto no mesmo período deste ano foram 3.774.

Também foi registrada a diminuição no número de mortes, que caíram de 481 em 2011 para 247 em 2012.

Conforme o levantamento, o Centro-Oeste foi a única região do país a registrar aumento dos casos graves da doença. A soma dos índices de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás e Distrito Federal aponta que este tipo de caso de dengue teve elevação de 44%, passando de 587 para 845. O aumento também foi nas mortes, que passaram 35 para 49 nos dez primeiros meses deste ano.

Alerta – O Ministério também divulgou hoje o Lira (Levantamento de Índice Rápido de Infestação do Aedes aegypt) e que aponta seis municípios do Estado em alerta para a dengue.

Bodoquena, Corumbá, Jardim, Naviraí, Porto Murtinho e Ivinhema estão com o Lira entre 1 e 3,9. Conforme o Ministério, os municípios classificados como de risco apresentam larvas do mosquito em mais de 3,9% dos imóveis pesquisados. É considerado estado de alerta quando menos de 3,9% dos imóveis pesquisados têm larvas do mosquito, sendo índice é satisfatório quando está abaixo de 1% de larvas do Aedes aegypti.

No Centro-Oeste, a maior parte dos criadouros do mosquito se concentra no lixo em terrenos baldios, cerca de 36,1%. Em segundo aparecem os depósitos domiciliares com 32,2% e 31,7% nos sistemas de abastecimento de água.

Carro roubado no Rio de Janeiro é recuperado em estrada rumo ao Paraguai
Um automóvel recentemente roubado no Rio de Janeiro foi recuperado por policiais militares em uma estrada vicinal de Japorã –a 487 km de Campo Grande...
Recesso de fim de ano começa nesta semana no Judiciário e Legislativo
Na reta final de 2017, para alguns servidores a "folguinha" das festas começa mais cedo. Em orgãos Estaduais e Federais de Mato Grosso do Sul, tem re...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions