A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

04/11/2013 14:00

MPE vê “indícios suficientes” e denuncia acusados de matar delegado

Graziela Rezende

O MPE (Ministério Público Estadual) viu “indícios suficientes” para manter na cadeia o guarda municipal José Moreira Freires, 40 anos, e o segurança Antônio Benitez Cristaldo, 37 anos, acusados de executar o delegado Paulo Magalhães, no dia 25 de junho, em Campo Grande. Também já ofereceu denúncia no dia 4 de outubro contra os réus. Mais uma vez eles negaram o crime.

“Vamos colocar como improcedente a versão dos réus, que desde o início solicitam para responder em liberdade o processo. Acreditamos que o inquérito policial está com elementos suficientes para mantê-los presos e as investigações, com relação ao mandante, estão sendo tocadas com celeridade pela Polícia e o Ministério Público”, afirma o promotor da 20ª Promotoria de Justiça, Humberto Lapa Ferri.

Como se trata de um crime que está em segredo de Justiça, o promotor não quis dar detalhe sobre as investigações. Ele, porém, ressaltou estar aguardando exames periciais pendentes e de interceptações telefônicas. O próximo passo é o juiz marcar a data da audiência com as testemunhas de acusação, defesa, ouvir os réus e depois proferir a sentença de pronúncia, que pode leva-los a júri popular.

Advogado do Zézinho, como José Moreira é conhecido, Renê Siufi diz que já fez o pedido de revogação da prisão do seu cliente e acompanha o processo. “Eles não possuem nenhuma prova contundente contra ele”, diz o delegado. Para a Polícia, Moreira foi o pistoleiro que executou a vítima com cinco tiros.

Prisão preventiva - No dia cinco de novembro o juiz titular da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, Aluízio Pereira dos Santos, decretou a prisão preventiva. O segurança e o guarda municipal vão responder por homicídio duplamente qualificado e formação de quadrilha, além do agravante para Benitez.

Outra suspeita - Além da execução do delegado, eles ainda são suspeitos de matar o 3° suspeito do crime, Rafael Leonardo dos Santos, 29 anos. Este último, conforme a Polícia, seria um crime considerado “queima de arquivo”.

Crime - Paulo Magalhães Araújo, 57 anos, foi atingido por uma pistola de 9 milímetros, de uso restrito do Exército. Ele estava na frente da escola da filha, na rua Alagoas, bairro Jardim dos Estados, quando foi alvejado.

Investigação da morte de delegado não avança com identificação de corpo
Ainda sem saber as circunstâncias do crime e a motivação da execução do delegado aposentado Paulo Magalhães, 57 anos, a Polícia ressalta que a confir...
Polícia conclui inquérito sobre morte de delegado e apresenta pistoleiros
A Polícia Civil realiza amanhã, às 10h, uma entrevista coletiva na sede do Garras (Grupo Armado de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros...
Polícia promete apresentar na quinta desfecho sobre morte de delegado
Já está marcada para quinta-feira (5), a coletiva para falar a respeito das investigações do assassinato do delegado Paulo Magalhães Araújo, 57 anos,...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions