A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

21/02/2011 08:16

MPF quer pena máxima para acusados de matar Marcos Veron

Aline dos Santos
Marcos Veron, que foi assassinado em 2003, em Juti. (Divulgação/Cimi)Marcos Veron, que foi assassinado em 2003, em Juti. (Divulgação/Cimi)

O MPF (Ministério Público Federal) quer pena máxima para os acusados da morte do líder indígena Marcos Veron, de 73 anos, que foi assassinado em 2003, em Juti.

Nesta segunda, a partir das 10h (horário de Mato Grosso do Sul), três réus vão a júri popular em São Paulo. O julgamento será no Fórum Jarbas Nobre. A pena máxima corresponde a mais de 30 anos de prisão. A realização do julgamento repercutiu em todo o Brasil e foi divulgada pela ONG Survival International, organização mundial de apoio aos povos indígenas.

“O Ministério Público vai com toda a sua força (contra os réus) porque matar alguém a coronhadas é muito grave, especialmente quando a vítima tem 72 anos de idade e está indefesa e quando os acusados não respeitam nem crianças e nem mulheres grávidas", afirma o procurador regional da República em São Paulo, Luiz Carlos dos Santos Gonçalves, em reportagem do jornal O Estado de São Paulo.

Também vão atuar na acusação os procuradores da República, Marco Antônio Delfino de Almeida, de Dourados, e Rodrigo de Grandis e Marta Pinheiro de Oliveira Sena, de São Paulo

Acusados - Estão no banco dos réus três seguranças acusados pela autoria do crime: Estevão Romero, Carlos Roberto dos Santos e Jorge Cristaldo Insabralde.

Eles são acusados de homicídio duplamente qualificado por motivo torpe e meio cruel, tortura, seis tentativas qualificadas de homicídio, seis crimes de sequestro, fraude processual e formação de quadrilha. Outras 24 pessoas foram denunciadas por envolvimento no crime.

A pedido do MPF (Ministério Público Federal), o julgamento foi transferido de Mato Grosso do Sul para São Paulo. Os motivos foram o poder econômico e a influência social do proprietário da fazenda, que teria negociado com dois índios a mudança de seus depoimentos. Este foi o terceiro caso de desaforamento interestadual do Brasil.

Violência - Conforme a denúncia, os índios foram atacados na madrugada do dia 13 de janeiro de 2003. Sete índios foram sequestrados, amarrados na carroceria de uma camionete e levados para local distante da fazenda, onde passaram por sessão de tortura.

Um dos filhos de Veron, quase foi queimado vivo. Já a filha, grávida de sete meses, foi espancada. Marcos Verón foi agredido com socos, pontapés e coronhada de espingarda na cabeça. Ele morreu por traumatismo craniano.

Portaria declara indígena terra onde morreu Veron
Portaria do Ministério da Justiça publicada no Diário Oficial da União na última segunda-feira reconhece como indígena a área Taquara, em Juti, onde ...
Intérprete motivou suspensão de julgamento de caso Veron
A decisão da juíza Paula Mantovani Avelino de autorizar o uso de intérprete da língua guarani-kaiowá apenas para os índios que não falam português fo...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions