A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

10/11/2010 09:21

No posto mais violento, médicos lançam campanha pela paz

Redação

Médicos lançaram esta manhã uma campanha para reduzir os índices de violência nos postos de saúde de Campo Grande. O objetivo é promover a harmonia entre pacientes e profissionais que atuam nas unidades de saúde.

Documento com denúncias de agressões será protocolado hoje na prefeitura de Campo Grande, com um abaixo-assinado composto por 1.500 nomes. O material também será entregue no MPE (Ministério Público Estadual), Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública) e no governo estadual.

Pesquisa feita pelo Sinmed (Sindicato dos Médicos), com base nos registros feitos em nove postos de saúde, de janeiro a 23 de setembro deste ano, contabiliza 345 relatos de violência.

São agressões a trabalhadores, xingamentos e até danos contra os veículos dos funcionários dos postos.

A unidade de saúde do bairro Vila Almeida lidera em ocorrências de agressões contra profissionais da saúde em Campo Grande. No local, foram registrados 17% dos 345 relatos de violência em 8 meses de 2010.

A Unidade 24 horas do Bairro Coronel Antonino está em segundo lugar na lista de agressões, com 16% das ocorrências. Nesta unidade, de um telefone celular, uma cena de violência foi registrada.

A agressão ocorreu no período do estudo feito nos postos de saúde. Passado o tumulto, os profissionais descobriram que o paciente agressor era foragido da Justiça, segundo o Sinmed.

"Dignidade é a palavra-chave deste movimento", diz o médico Renato Figueiredo, responsável pelo levantamento.

Ele ressalta que hoje começa a luta contra a violência ambiente de trabalho. "A campanha não tem data para terminar", completa.

O médico destaca ainda que a melhora nas condições dos profissionais terá reflexo no atendimento aos usuários do sistema de saúde.

Paciente - As irmãs Aidê e Antônia da Cruz, de 80 e 77 anos, foram hoje ao posto de saúde da Vila Almeida, de onde saíram sem atendimento.

Aidê fez uma cirurgia de câncer de pele e precisava fazer um curativo, porém, na unidade, o procedimento não é feito. A recomendação dada foi para que procurassem outro posto.

"

Justiça do Trabalho faz acordos de R$ 6,5 milhões no Estado
A Justiça do Trabalho teve 355 acordos que somaram R$ 6.512.934,87 durante a Semana da Conciliação em Mato Grosso do Sul. Na iniciativa, realizada en...
Ministério da Saúde suspende incentivos da atenção básica em MS
O Ministério da Saúde suspendeu, nesta sexta-feira (15), repasse extra à atenção básica para sete municípios de Mato Grosso do Sul. Isso porque eles ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions