A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

25/07/2013 15:14

OAB pede para investigar dossiês entregues pelo delegado Paulo Magalhães

Edivaldo Bitencourt

A OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil, seccional de Mato Grosso do Sul) pediu para a Polícia Civil investigar as denúncias feitas em supostos dossiês distribuídos pelo delegado aposentado Paulo Magalhães Araújo, 57 anos. Ele foi morto a tiros no dia 25 de junho deste no Jardim dos Estados.

A investigação foi prorrogada por mais 30 dias pela Diretoria Geral da Polícia Civil (DGPC). Apesar do caso ser investigado por vários delegados, incluindo-se o titular da Delegacia de Homicídios, Edilson Santos, e do Garras (Delegacia Especializada na Repressão de Assalto, Sequestro e Roubo de Banco), Alberto Vieira Rossi.

A entidade cobra a punição dos assassinos do delegado. A apuração rigorosa é uma das bandeiras da OAB/MS, que faz uma manifestação nesta quinta-feira na Capital.

“Recomendamos a inclusão do dossiê junto a outros dados já coletados na investigação. Esse é um documento importante que não pode ser desconsiderado”, afirmou o presidente da Comissão de Advogados Criminalistas, Luiz Carlos Saldanha Rodrigues Junior, que compõe o grupo nomeado pela OAB/MS, no dia 26 de junho, para acompanhar as investigações. O grupo conta ainda com a participação dos advogados Rodrigo Corrêa Couto, da Comissão de Defesa e Assistência das Prerrogativas dos Advogados (CDA), e o advogado Alexandre Franzoloso.

Segundo Saldanha, o dossiê, divulgado pela imprensa, que reúne todas as denúncias feitas por Magalhaes em seu blog pessoal, até o momento não foi objeto de investigação. Saldanha relata ainda que ainda aguarda a autorização da Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) para que os representantes da OAB/MS possam acompanhar o processo.

A Polícia não divulga informações sobre o caso por trata-lo sob segredo de Justiça.



O chefe do cartório teve de incidir em falsidade ideológica para proteger o "esquemão" das fraudes. Mentiu em documento público. O Dr.Paulo embargou daquele jeito "arrasa quarteirão". Óbvio que o assassinato do Dr.Paulo Magalhães vai sepultar também as 29 exceções da verdade nos processos espúrios que o MPF abriu contra ele (cala boca), Por que o MPF (na verdade procuradores que se escondem atrás do nome da instituição pra fazer seus vingança pessoal) perseguia o Dr.Paulo? Já haviam percebido que não havia ordem judicial e mesmo assim denunciaram. Por que tudo isso. bom, se tiver autoridade honesta chegaremos a Fraude do plano de sequestro do filho do presidente da República e ao sumiço dos 35 milhões de dólares do Abadia. Quem quer descobrir isso? Creio que mais gente vai ser assassinad
 
VALDEMIR RIBEIRO ALBUQUERQUE em 20/09/2013 23:03:14
Se a OAB/MS quiser realmente saber quem são "os mandantes", que investigue os autos do mandado de segurança nº: 0004744-07.2013.403.6000 – principalmente os embargos de declaração protocolados pelo Dr.Paulo Magalhães poucas horas antes de SER assassinato. Poderemos perceber, até um analfabeto poderia ver que houve uma grande farsa para ocultar a inexistência de autorização judicial para monitorar o advogado Aluísio Lundgren Correa Régis (processo nº 2007.60.006282-5). Ocorre que mesmo inexistindo ordem judicial a gravação foi feita. Quando o Dr.Paulo Magalhães denunciou que advogados eram gravados e monitorados de modo ilegal, foi denunciado pelo MPF/MS. Pasmem, os fiscais de lei esquentando fraude do DEPEN/MJ, denunciado inocente. NÃO RESTOU ALTERNATIVA AOS CHEFE DO CARTÓRIO, CONTINUA.
 
Valdemir Ribeiro Albuquerque em 20/09/2013 22:54:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions