ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Corpo de Paulo Magalhães tinha 11 perfurações de 9 mm aponta perícia

Francisco Júnior e Luciana Brazil | 26/06/2013 08:08
Os tiros acertaram principalmente o tórax de Magalhães. (Foto: Marcos Ermínio)
Os tiros acertaram principalmente o tórax de Magalhães. (Foto: Marcos Ermínio)

O corpo do delegado aposentado Paulo Magalhães, de 57 anos, teve 11 perfurações por tiros de pistola calibre 9 milímetros. A execução aconteceu por volta das 17h40 de ontem (25), em frente à uma escola particular na rua Alagoas, área nobre de Campo Grande.

Conforme a pericia, a maioria dos disparos acertou a região do tórax dele, porém um tiro causou sua morte, o que acertou o coração, passou pelo pulmão e foi parar no fígado.

O corpo do delegado foi liberado do IMOL (Instituto Médico Odontológico Legal) por volta das 22h30 de ontem. O velório acontece no cemitério Jardim das Palmeiras, que fica na Avenida Tamandaré, no Jardim Seminário. O horário do sepultamento ainda não foi confirmado pela família.

O assassinato do delegado é investigado pela delegacia DEH (Delegacia de Homicídios). A execução de Magalhães pode estar relacionado com outros crimes em Campo Grande, como por exemplo, a morte do dono do jornal eletrônico Última Hora News e também policial aposentado, Eduardo Carvalho, de 51 anos, assassinado a tiros em novembro do ano passado.

Segundo a Polícia, Paulo Magalhães foi colaborador de Eduardo no jornal eletrônico até que os dois romperam. Em 2010, por exemplo, Carvalho publicou artigo onde chamava o ex-colega de homem com "delírios psicodélicos e psicóticos”.

Os dois tinham um perfil semelhante. Além de trabalharem na Polícia, dividiam denúncias contra diferentes autoridades. Enquanto Paulo Magalhães respondia a 29 processos por calúnia e difamação, Eduardo tinha cerca de 20 desde 2005.

Nos siga no Google Notícias