ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEXTA  01    CAMPO GRANDE 30º

Cidades

Operação mira corrupção envolvendo diretores de agência penitenciária

Aline dos Santos e Yarima Mecchi | 27/01/2017 11:22
Equipe do Gaeco passou a manhã na Agepen. (Foto: André Bittar)
Equipe do Gaeco passou a manhã na Agepen. (Foto: André Bittar)

Com sete mandados de busca e apreensão, a operação deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) mira a direção da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário).

Batizada de GIRVE em alusão a um curso sob suspeita, a ação apreendeu os celulares do presidente da agência, Ailton Stropa, e de diretores. Na residência de um deles, foi apreendido R$ 90 mil em dinheiro.

De acordo com nota do MPE (Ministério Público Estadual), foram alvos de “busca e apreensão os titulares da Presidência da AGEPEN, da Diretoria de Assistência Penitenciária (DAP), da chefia da Divisão de Estabelecimentos Penais (DEP), da Diretoria de Operações (DOP) e a Chefia de Divisão de Trabalho”.

Os mandados foram cumpridos nas residências dos diretores investigados, localizadas em Aquidauana, Dourados e Campo Grande, e no local de trabalho. O Gaeco investiga irregularidades durante a realização do GIRVE – Curso de treinamento para intervenção rápida, contenção, vigilância e escolta do sistema penitenciário. O curso foi realizado em abril de 2016 na Capital.

As ordens para busca e apreensão são do juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, o Carlos Alberto Garcete de Almeida. São investigados os crimes de peculato, falsidade documental e corrupção envolvendo diretores da Agepen.

A coordenadora do Gaeco, promotora Cristiane Mourão, deixou a agência às 9h30 e o diretor-presidente acompanha o trabalho. No período da manhã, um chaveiro foi chamado ao local, no bairro Coronel Antonino, para abrir um cofre.

Xadrez - Na última segunda-feira (dia 23), a operação Xadrez cumpriu 12 mandados de busca e apreensão, um de condução coercitiva e nove de prisão temporária. A ação foi resultado de uma investigação por tráfico de drogas, associação para o tráfico, corrupção, peculato e falsidade documental em Corumbá, localizada a 419 quilômetros de Campo Grande. Foram presos os diretores dos presídios de regime fechado e aberto.

Nos siga no Google Notícias