A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

29/03/2011 17:30

Pacientes encaram viagens longas à Capital e ignoram hospitais locais

Fabiano Arruda

Mais de 10% dos atendimentos na Santa Casa de Campo Grande em março foram de pacientes o interior

O número de encaminhamentos de pacientes do interior de Mato Grosso do Sul para a Santa Casa de Campo Grande reflete um problema antigo na saúde pública.

Pacientes encaram viagens longas e, na maioria das vezes, ignoram o atendimento dos hospitais nas cidades em que moram.

Em Paranaíba, por exemplo, muitos preferem encarar 422 quilômetros de viagem para Campo Grande ao invés de 180 quilômetros para Três Lagoas, ou mesmo, o mais simples, ir à Santa Casa de Misericórdia do município.

Cento e um pacientes de Coxim encararam uma viagem de cerca de três horas por que não conseguiram atendimento no Hospital Regional do município ou o ignoraram. E desse número 15 foram casos de internação e 25 de urgência ou emergência.

Cinquenta e quatro pessoas viajaram cerca de cinco horas de Corumbá para a Capital em busca de atendimento na Santa Casa, enquanto 29 pacientes não quiseram recorrer ao Hospital Auxiliadora de Três Lagoas e vieram para Campo Grande.

Em Corumbá, o vereador Oseas Ohara (PMDB) culpa a administração municipal. O parlamentar, que é médico, relata que no CTI (Centro de Tratamento Intensivo) da Santa Casa existem dois aparelhos respiratórios e o centro cirúrgico foi fechado na semana passada por falta de materiais.

“Às vezes se três cirurgias estão agendadas para determinado dia, tem material para duas e para a terceira falta”, descreve o peemedebista.

Para Ohara, a remuneração dos médicos é outro motivador da "crise" no hospital. Segundo o vereador, um médico no hospital chega a receber R$ 35 para uma anestesia para cesariana, enquanto a remuneração normal seria de R$ 300. “A falta de condição de trabalho é reclamação comum para estes profissionais”, garante Oseas.

Já em Dourados, o médico Mario Eduardo Rocha, ex-secretário de Saúde de Dourados, citou como problemas: “carência de profissionais da saúde, de estruturas especializadas, que acabam por criar filas principalmente em relação à oferta de exames, superlotação em hospitais, o que geram ações judiciais e preocupam cada vez mais os gestores”.

Como solução, o médico, que deixou a secretaria em setembro do ano passado, vinte e oito dias após a Operação Uragano da Polícia Federal, engrossou o pedido pela aprovação da Emenda 29, que redefine os percentuais de aplicação de recursos na Saúde para União, estados e municípios.

“Reclamando do interior”, 89,5% de pacientes na Santa Casa são da Capital
Em março, foram apenas 2,1 mil atendimentos de pacientes do interior em mais de 20 milA sobrecarga de pacientes do interior de Mato Grosso do Sul, h...
Mega-Sena pode pagar R$ 39 milhões no sorteio deste sábado
A Mega-Sena deste sábado (16), que está acumulada, pode pagar R$ 39 milhões para quem acertar os seis números. O concurso 1.997 ocorre às 20 horas, h...


Isso já explica muita coisa da superlotação, que o problema é o controle dos pacientes que buscam atendimento nesses hospitais. Acho que com o cartão do SUS, que exige comprovante de residência, esse problema possa ser amenizado. Se a saúde é municipalizada, que cada município arque com seus pacientes. Negar atendimento aos imigrantes é complicado e não é nada certo, mas a situação precisa ser revertida urgentemente, pois faz tempo que o limite foi excedido.
 
Breno de Almeida Freitas em 30/03/2011 09:16:17
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions