ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  07    CAMPO GRANDE 20º

Cidades

Pastor nega abuso e diz que era muito amigo de garoto

Por Redação | 15/10/2009 11:03

O pastor acusado de abusar sexualmente de um adolescente foi ouvido nesta quinta-feira pela Polícia Civil e negou as acusações e disse que era muito amigo do garoto.

De acordo com a delegada Regina Márcia da Mota Rodrigues, da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), responsável pela investigação, o pastor confirmou que buscava o adolescente na escola e declarou que entre eles havia somente um relacionamento de amizade.

Conforme a delegada, o pastor negou que tivesse assediado e abusado sexualmente do garoto e ficou surpreso ao saber que familiares do adolescente disseram à Polícia que outras pessoas teriam sido vítimas dele.

Até o fim da manhã desta quinta-feira, nenhuma outra suposta vítima procurou a Polícia para fazer denúncias contra o pastor.

O pastor foi ouvido e liberado. Ele irá responder inquérito em liberdade, porque, segundo a delegada, ainda não há elementos que preencham os requisitos para pedir a prisão preventiva dele.

Conforme a denúncia, o adolescente vinha sendo assediado pelo pastor há cerca de cinco meses.

A mãe do menino desconfiou da amizade e dos presentes dados pelo religioso, como aparelho de telefone celular, roupas e dinheiro para pagar a mensalidade de uma academia.

Um tio do adolescente estima que pelo menos outras oito famílias tenham sido vítimas do pastor evangélico, pessoa considerada "acima de qualquer suspeita" pela comunidade.

As vítimas seriam do sexo masculino e estariam na faixa etária de 7 a 14 anos de idade.

O garoto de 14 anos, cuja mãe formalizou a denúncia, teria cartas com declarações de amor escritas pelo pastor. Além dos presentes, o pastor passava na escola, uma instituição pública na Vila Jacy, para pegar o adolescente. Para levá-lo, ele mentia para a direção do estabelecimento que era pai do menino.