A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 20 de Setembro de 2018

26/04/2018 12:15

PF faz buscas por piloto de avião interceptado a tiros pela FAB

Bimotor que sobrevoava Corumbá na manhã de ontem realizou pouso forçado no lago do Parque Nacional do Pantanal em MT e ainda é retirado das águas

Danielle Valentim
Na missão, além de três caças A-29 Super Tucano, foi empregada a aeronave radar E-99 da FAB. A ação ocorre durante os trabalhos da Operação Ostium. (Foto: Divulgação/FAB)Na missão, além de três caças A-29 Super Tucano, foi empregada a aeronave radar E-99 da FAB. A ação ocorre durante os trabalhos da Operação Ostium. (Foto: Divulgação/FAB)

O piloto do bimotor Baron interceptado por equipes da FAB (Força Aérea Brasileira) por volta das 7h de ontem (25) quando sobrevoava a Serra do Amolar em Corumbá, a 444 km de Campo Grande, ainda não foi localizado em terra pela Polícia Federal. O condutor desobedeceu a todas as medidas de policiamento aéreo e equipes militares dispararam duas vezes, primeiro como aviso depois para detenção.

O Capitão Aviador Antonio Pereira Damasceno Neto explicou ao Campo Grande News, que interceptações ocorrem todos os dias. No entanto, no caso do bimotor Baron localizado em Corumbá, a suspeita começou quando o piloto não respondeu aos interrogatórios e tentou fugir.

“Após esgotarem todas as medidas de policiamento, ele pousou na água, nossa equipe permaneceu sobrevoando o local, até porque não iria pousar na água sem a segurança necessária, mas acionou os demais órgãos envolvidos, no caso as equipes em terra e a PF para continuar os trabalhos. Nesta manhã, a equipes ainda estão retirando a aeronave da água e retirando o que sobrou de dentro do bimotor”, explicou.

Além da Polícia Federal, responsável pela investigação a partir de agora, equipes do Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento, o PARA-SAR, realizam os trabalhos terrestres. A aeronave continua nas águas e, ainda não se sabe, quem está dentro e o que de ilícito há no bimotor.

Apesar da retomada das buscas na manhã desta quinta-feira (26), a FAB e PF de Campo Grande, Cuiabá e comando em Brasília não confirmaram se o piloto conseguiu fugir ou morreu afogado.

A suspeita - A aeronave foi classificada como suspeita após piloto não responder aos primeiros interrogatórios, estabelecidos no protocolo das medidas de policiamento do espaço aéreo brasileiro, da Lei 7565/1986.

Única imagem registrada pela FAB do bimotor Baron interceptado na manhã de ontem. (Foto: Divulgação/FAB)Única imagem registrada pela FAB do bimotor Baron interceptado na manhã de ontem. (Foto: Divulgação/FAB)

Na sequência, o piloto da FAB ordenou a mudança de rota e o pouso obrigatório no aeródromo de Cuiabá (MT), porém o piloto não obedeceu. Foi necessário que a defesa aérea comandasse o tiro de aviso, para o pouso no aeródromo mais próximo. Ainda sem retorno, foi disparado o tiro de detenção.

O bimotor que sobrevoava Corumbá, perto da fronteira com a Bolívia, sem plano de voo e com matrícula falsa acabou realizando um pouso forçado no lago do Parque Nacional do Pantanal mato-grossense. A FAB não disse se encontrou material de tráfico no bimotor.

Outro caso - Esta foi a segunda vez que a Força Aérea atirou com o objetivo de atingir o alvo desde que entrou em vigor a Lei do Abate. No início de março, outro caça A-29 Super Tucano interceptou um avião no espaço aéreo do Mato Grosso (MT). Um bimotor com mais de 500 quilos de cocaína, vindo da Bolívia, sobrevoava a região de Nova Fernandópolis.

Três aeronaves de defesa aérea A-29 Super Tucano e um avião radar E-99 foram utilizados para monitorar e interceptar o avião. Um helicóptero da Polícia Militar do Mato Grosso foi acionado e transportou a equipe da Polícia Federal para fazer a abordagem da aeronave no solo.

Operação - A Ostium começou em 2017 e reforça a vigilância do espaço aéreo sobre a região de fronteira do Brasil. O objetivo é coibir voos irregulares que possam estar ligados a crimes como o narcotráfico. Em um primeiro momento, em março deste ano, houve o deslocamento de estruturas compostas por radares e/ou aeronaves para a região de fronteira com Paraguai, Argentina e Bolívia.

A primeira fase já encerrada e passou pelas cidades de Chapecó (SC), Corumbá (MS), Dourados (MS), Campo Grande (MS), Cascavel (PR) e Foz do Iguaçu (PR). O resultado foi uma média de quatro interceptações de aviões irregulares por dia, apenas nessas regiões.

Durante o ano, outras fases da Operação Ostium foram deflagradas, em diferentes pontos da faixa de fronteira. A diferença para a primeira delas, de caráter dissuasório, é que fases posteriores estão sendo sigilosas. O objetivo é, a partir do elemento surpresa, levar a zero o número de tráfegos ilícitos na fronteira.

As ações estão sendo coordenadas a partir do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), localizado em Brasília (DF), e fazem parte do Programa de Proteção Integrada de Fronteiras (PPIF), do Ministério da Defesa.

Medidas de policiamento do espaço aéreo brasileiro.Medidas de policiamento do espaço aéreo brasileiro.
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions