A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

19/03/2009 12:05

Policial rodoviário diz estar "acuado" e "ameaçado"

Redação

O policial rodoviário federal, Wolney Almeida, diz que é atacado para que foco sobre golpe da casa própria seja desviado do que realmente interessa. "Eu apenas fiz a prisão e ouvi o a história que aponta para um esquema grande", comenta.

Na corporação há 32 anos, o policial garante que nunca enfrentou qualquer crítica sobre conduta profissional. "Nunca tive qualquer repreensão".

"Indignado" diante das acusações do golpista Ademar Pereira Mariano, de que teria induzido o preso e acusar a delegada Rosely Molina ele questiona. "Então agora o bandido sou eu?".

Almeida detalha o dia da prisão, no sábado. Diz que após Ademar "ser pego" com documento falso, ele acabou confessando que tinha mandados de prisão, por ter aplicado golpes com venda fraudulenta e fictícia de 150 imóveis da Agehab (Agência Estadual de Habitação).

"Percebi então que a coisa era grande e procurei apoio". O policial conta que tentou convencer um promotor de Justiça a acompanhar o depoimento, mas não conseguiu.

Depois, informa que tentou levar um delegado de Campo Grande até Terenos, para que fosse registrado o depoimento. "Mas ninguém quis pegar a bronca, até que um delegado de Sidrolândia, que responde por Terenos, aceitou", detalha.

Antes porém, já havia comunicado o fato ao Relações Públicas, Ademilson de Souza, que chamou a "TV Morena" para filmar o depoimento ainda no posto da PRF em Terenos. "A gravação foi lá pelas 23h30 do dia 14", conta.

Em momento algum ele teria induzido Ademar a falar qualquer coisa. "Ele contou a mesma história várias vezes, inclusive, para o delegado de Sidrolândia. Depois tentou se livrar inventou mentira", ataca.

Almeida também nega que tenha "comemorado" as denúncias contra servidora da Secretaria de Segurança Pública e contra a delegada Rosely Molina, ou ter insistido para que Ademar acusasse o secretário Wantuir Jacini. "Nunca faria isso", assegura.

Diante da repercussão e da possibilidade de punição administrativa, o PRF diz que se sente ameaçado. "Meu chefe disse que o secretário de Segurança e o deputado (Vander) ligaram, pedindo explicações. Estou me sentindo ameaçado", diz o policial que entraria manhã em férias, mas perdeu a folga por tempo indeterminado, por ordem do superintendente da PRF, Valter Favaro.

Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...
Município de Itaporã comemora 64 anos de emancipação neste domingo
Conhecido como Cidade do Peixe, Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, comemora 64 anos de emancipação neste domingo (10). A prefeitura municipal ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions