A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

30/08/2009 10:39

Prazo termina e índios não saem de área em Rio Brilhante

Redação

As 35 famílias indígenas continuam nos 420 hectares de uma propriedade rural de Rio Brilhante, apesar do prazo para deixarem a área ter terminado na última quarta-feira. ""Se sairmos daqui, não sei para onde ir. Não temos para onde ir", afirmou o cacique Faride, um dos líderes do acampamento Guarani-Kaiowá, em Rio Brilhante.

A desembargadora do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, Marli Ferreira, determinou à Funai para remover os índios em três meses. O prazo acabou no dia 26 de agosto, mas os indígenas continuam na fazenda.

Segundo o Cimi (Conselho Indiginista Missionário), 130 pessoas, sendo 60 crianças e adolescentes, estão no acampamento. Na entrada da fazenda, uma grande corrente e um cadeado fecham a porteira que abre a passagem para o acampamento, que fica há 3,5 km da estrada, cercado por plantações de milho e canaviais existentes nesta região por todos os lados.

A comunidade indígena Guarani-Kaiowá de Laranjeira

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions