ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEXTA  01    CAMPO GRANDE 26º

Cidades

Prévia de demarcação divulgada por ministério frustra índios e fazendeiros

Aline dos Santos | 30/11/2013 16:45
Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, já veio diversas vezes a MS para discutir conflito. (Foto: Cleber Gellio)
Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, já veio diversas vezes a MS para discutir conflito. (Foto: Cleber Gellio)

Aguardada há tempos e divulgada ontem pelo Ministério da Justiça, a minuta da portaria para modificar o procedimento de demarcação de terras indígenas conseguiu deixar os dois lados insatisfeitos: índios e fazendeiros.

O documento - que se propõe a agilizar, aumentar a transparência e evitar judicialização – ainda é uma prévia e receberá sugestões de entidades indígenas, órgãos governamentais e associações de agricultores.

“Na nossa avaliação, piora a situação, que já é insuportável. Aumenta a insegurança jurídica de todos os envolvidos. Mantendo os conflitos que já estão latentes nas diferentes regiões e em Mato Grosso do Sul em particular”, afirma o secretário executivo do Cimi (Conselho Indigenista Missionário), Cleber Buzatto.

Para ele, um dos pontos mais prejudiciais é o que abre a possibilidade de que conste no relatório circunstanciado as posições divergentes dentro do mesmo grupo de trabalho. Conforme a minuta da portaria, “em caso de divergência total ou parcial entre os membros do grupo técnico sobre a proposta de delimitação da área, a posição divergente será consignada em separado, em parecer fundamentado, que integrará o relatório circunstanciado de identificação e delimitação”.

Segundo Buzatto, a parte “perdedora” deve utilizar as justificativas do próprio relatório para recorrer ao Poder Judiciário. Ou seja, mantendo a enxurrada de ações que permeiam o processo de demarcação de terra indígena. De acordo com o secretário executivo do Cimi, a proposta do Ministério da Justiça também aumenta as idas e vindas dentro do procedimento administrativo, retardando um desfecho. O documento será discutido pelos povos indígenas e também analisado quanto à constitucionalidade.

Assessor jurídico da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária), Gustavo Passarelli avalia que a proposta mantém o mesmo problema do atual procedimento para demarcação. “O produtor continua sem ser contemplado. Ele continua sem direito de participação”, afirma. Atualmente, a exclusão dos fazendeiros do processo administrativo leva a diversas ações judiciais.

O conflito no campo já faz parte da história de Mato Grosso do Sul e teve mais um capítulo trágico em maio, quando a desocupação da fazenda Buriti, em Sidrolândia, resultou na morte de um índio terena.

Com a morte na reintegração de posse, o governo federal enviou emissários do primeiro escalão, incluindo o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para negociar a paz no campo. Reuniões com fazendeiros e índios foram realizadas em Campo Grande e Brasília.

Surgiram propostas como indenização por TDA (Título da Dívida Agrária), porém, sem proposta definitiva os ânimos seguiram exaltados, com novas invasões e declarações sobre o risco de derramar sangue. Ontem, o governo federal determinou que a Força Nacional atue por 90 dias em repressão aos conflitos agrários. Hoje, venceu o prazo para apresentar uma solução pacífica para a disputa.

Agora, é exigida audiência com a presidente Dilma Rousseff (PT) e a aplicação de três medidas: desapropriação pela União de terras não-indígenas; aquisição de terras em conflito com recursos federais destinados ao Fundo Estadual de Terras Indígenas; e autorização para que o Estado destine recursos do pagamento da dívida com a União para aquisição de terras.

Nos siga no Google Notícias