A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Janeiro de 2019

19/12/2018 13:40

Procurador de MS alertou Judiciário sobre plano de fuga de Cesare Battisti

Italiano, refugiado desde 2004 no Brasil, teve prisão decretada pelo STF e está foragido desde o dia 13 de dezembro

Anahi Zurutuza
Cesare Battisti, de camiseta branca, ao chegar no Patronato Penitenciário de Campo Grande no dia 19 de dezembro do ano passado para colocar tornozeleira eletrônica (Foto: Bruna Kaspary/Arquivo)Cesare Battisti, de camiseta branca, ao chegar no Patronato Penitenciário de Campo Grande no dia 19 de dezembro do ano passado para colocar tornozeleira eletrônica (Foto: Bruna Kaspary/Arquivo)

Após receber denúncia na anônima de que o italiano Cesare Battisti tinha plano de fugir caso fosse decretada a extradição dele, o procurador de Mato Grosso do Sul, Silvio Pettengil Neto, tentou que a Justiça Federal decretasse a prisão preventiva do refugiado. O primeiro pedido foi negado em abril e depois, em maio, recurso também não foi acolhido.

Na petição, que chegou a tramitar em sigilo, o procurador revela que em 25 de abril de 2018, um dia depois que o STJ (Superior Tribunal de Justiça) revogar medidas cautelares contra Battisti, chegou ao MPF (Ministério Público Federal) em Mato Grosso do Sul a notícia de que o italiano tentaria fugir do País a qualquer momento.

O procurador destacou que uma procuração feita em cartório por Battisti era evidência de que a denúncia anônima tinha fundamento. O documento dava poderes a Magno de Carvalhos Costa, que segundo a acusação mora no mesmo endereço do refugiado, movimentar as contas bancárias do italiano.

“Obviamente tudo isso [fuga] é tramado de forma oculta”, destacou o procurador.

Em 4 de outubro de 2017, Battisti foi flagrado com 6 mil dólares e 1,3 mil euros em Corumbá, na fronteira com a Bolívia. Ele estava em um táxi boliviano com outros dois passageiros. A grande quantia em dinheiro chamou a atenção da PRF (Polícia Rodoviária Federal).

Preso por evasão de divisas, Cesare ganhou a liberdade em 6 de outubro do ano passado depois que o TRF3 (Tribunal Regional Federal) da 3ª Região lhe concedeu habeas  corpus com a condição de que ele usasse tornozeleira eletrônica e se apresentasse mensalmente à Justiça.

As medidas cautelares foram cassadas pelo STJ e no dia 22 de maio deste ano, o italiano se livrou do monitoramento.

Foi no fim desse mês que o MPF novamente fez o alerta da possibilidade de fuga, mas no dia 8 de junho, foi publicado despacho em que a 3ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande indeferiu pedido para restabelecer medidas cautelares diversas da prisão.

Foragido – Battisti é procurado desde o dia 13 deste mês quando o ministro Luiz Fux, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou sua prisão a pedido da Interpol. No dia seguinte à ordem, o presidente Michel Temer (MDB) assinou o decreto de extradição do italiano.

Cesare chegou em 2004 ao Brasil, onde ficou preso três anos depois. Ele deixou a Penitenciária da Papuda, em Brasília, em 9 de junho 2011.

Na petição, o procurador lembra que na Itália, Battisti é condenado por vários assassinatos e que deixou o país de origem há mais de 30 anos para não cumprir a pena que a Justiça italiana lhe impôs. Ele nega as acusações.

Possíveis disfarces que podem ser usados por Cesare Battisti divulgados pela PF (Polícia Federal) (Foto: PF/Divulgação)Possíveis disfarces que podem ser usados por Cesare Battisti divulgados pela PF (Polícia Federal) (Foto: PF/Divulgação)


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions