A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

07/10/2011 12:10

Puccinelli insiste com governo federal para privatizar a Rodovia da Morte

Aline dos Santos

“Voltamos a insistir que o governo federal nos delegue a 163”

Cruzes contam tragédia ao longo da rodovia 163. (Foto: Simão Nogueira)Cruzes contam tragédia ao longo da rodovia 163. (Foto: Simão Nogueira)

Mais uma vez, o governador André Puccinelli (PMDB) pediu à União que repasse o controle da BR-163, a Rodovia da Morte, para Mato Grosso do Sul. O plano é duplicar a via e cobrar pedágio.

A concessão onerosa seria válida por 25 anos. “Voltamos a insistir que o governo federal nos delegue a 163”, afirmou o governador em entrevista ao jornal Bom Dia MS, da TV Morena. Segundo ele, o objetivo é iniciar a duplicação ainda no seu mandato, que termina em 2014.

Nesta semana, o governador se reuniu em Brasília com o ministro dos Transportes, Paulo Passos, e o diretor-geral do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), general Jorge Fraxe.

A proposta do governador vem desde 2007, mas, até então, estudo do Dnit apontava que cobrança de pedágio era inviável em qualquer rodovia federal de Mato Grosso do Sul.

A taxa a ser cobrada seria maior do que as praticadas nas rodovias de outros Estados. Conforme Puccinelli, com um pedágio a cada 80 quilômetros seria possível fazer a duplicação ao longo de toda a rodovia em dez anos.

Com 840 km de extensão, a BR-163 vai de Mundo Novo a Sonora. Ao longo do caminho, dezenas de cruzes não deixam dúvidas de porque a via leva o nome de Rodovia da Morte. Levados os corpos e veículos retorcidos, são elas – feitas de ferro ou madeira, enfeitadas com flores frescas ou já esquecidas – que contam as tragédias.

De janeiro até hoje, foram registrados 74 mortes. Desde 2006, a PRF (Polícia Rodoviária Federal), contabiliza 549 mortes na 163. Neste ano, já foram 1.226 acidentes, com 797 feridos.

Rodovia tem terceira faixa para facilitar ultrapassagens. (Foto: Simão Nogueira)Rodovia tem terceira faixa para facilitar ultrapassagens. (Foto: Simão Nogueira)

Sem previsão – De acordo com o superintendente estadual do Dnit, Marcelo Miranda, não há previsão para duplicar a 163. A rodovia vem ganhando terceira faixa em alguns pontos, para facilitar e dar mais segurança às ultrapassagens.

“Não é a solução para a 163. Mas tendo condições vamos melhorando para preservar a vida”, salienta. Segundo Miranda, a 3ª faixa é feita nas subidas, quando as carretas reduzem a velocidade.

Ele explica que aguarda autorização de Brasília para abrir concorrência das obras de recapeamento e abertura de 3ª faixa. A segunda etapa do Crema (programa de recuperação das estradas federais) inclui o trecho da rodovia que vai de Campo Grande a Mato Grosso. O programa também contempla a BR-262.

Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
Autorização para psicólogos aplicarem terapia de reorientação sexual é mantida
O juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara Federal de Brasília, decidiu hoje (15) tornar definitiva a decisão liminar (provisória) que havia pr...
Clientes de banco podem renegociar dívidas no "Caminhão do Quita Fácil"
A partir de segunda-feira (18), clientes das agências da Caixa de Campo Grande terão a possibilidade de renegociar suas dívidas atrasadas há mais de ...


O problema da BR 163, está mais para Motoristas imprudentes que forçam ultrapassagem em faixas continuas sem se importar....é um absurdo!!! Percorro com habilualidade e já passei por situações complicadas....carretas ultrapassando na subida em faixa contínua é o que mais se vê...da mesma forma alguns que abusam da velocidade num rodovia que não tem se quer um RADAR FIXO.
 
Renado dos Santos Melo em 07/10/2011 02:50:53
SE NESSA RODOVIA FOSSE PINTADO UM ESTRELINHA PRA CADA MORTE, O ASFALTO SERIA AMARELO E A SINALIZAÇÃO VERTICAL NÃO EXISTIRIA!!!
 
RAMÃO QUEIRÓZ MEDINA em 07/10/2011 01:55:38
Falar de morte em uma notícia talvez seja o mais corriqueiro na vida do jornalista. Mas a repórter conseguiu fazer isso com lirismo.
"Ao longo do caminho, dezenas de cruzes não deixam dúvidas de porque a via leva o nome de Rodovia da Morte. Levados os corpos e veículos retorcidos, são elas – feitas de ferro ou madeira, enfeitadas com flores frescas ou já esquecidas – que contam as tragédias."
 
Jorge Almoas em 07/10/2011 01:20:42
O governo federal ficará irredutível?
Não trabalharemos e não deixaremos trabalharem....será?
Já está mais do que na hora de duplicar e porque não privatizar?
Mas terá que ser como em SP e Paraná, onde a cada km tem um posto telefônico, guinchos e socorro, aí pagaremos com prazer e de quebra reduziremos drasticamente o índice de acidentes nessa BR, o governo federal não deseja isso?!
 
Luciano Bandeira em 07/10/2011 01:11:25
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions