A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

06/02/2013 16:59

Reforma em prédio adia início das aulas em escola com mil alunos

Gabriel Neris, Luciana Brazil e Nadyenka Castro
Pátio da escola Arlindo de Andrade Gomes foi tomado por terra e arames (Foto: Rodrigo Pazinato)Pátio da escola Arlindo de Andrade Gomes foi tomado por terra e arames (Foto: Rodrigo Pazinato)
Sala de aula está ocupada por materiais de construção e carteiras escolares (Foto: Rodrigo Pazinato)Sala de aula está ocupada por materiais de construção e carteiras escolares (Foto: Rodrigo Pazinato)

Passando por reforma, uma das escolas mais tradicionais de Campo Grande teve que adiar o início das aulas para o dia 18 de fevereiro. Os 1.073 alunos da escola estadual Arlindo de Andrade Gomes, no bairro Santo Antônio, serão deslocados para outro prédio que está sendo locado.

De acordo com a SED (Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso do Sul), o endereço será divulgado assim que for assinado o contrato de locação e os alunos não serão prejudicados, já que a aulas serão repostas.

A obra começou no início do mês de dezembro, assim que foi encerrado o ano letivo, e a previsão é que as obras durem mais três meses. Estão sendo construídos quatro novos laboratórios e uma biblioteca. Passam por reformas os banheiros, o refeitório, a cozinha, e o telhado. As salas de aula também passam por reforma para a acessibilidade dos alunos.

A medida pegou muitos pais de alunos de surpresa. A mãe de uma aluna, de 42 anos, que preferiu não se identificar, contou que pais e responsáveis pensam em transferir os filhos de escola. A filha dela de 13 anos estuda há três anos na escola e uma mudança poderia ser prejudicial. “Estou procurando outro lugar”, diz a moradora do Jardim Aeroporto.

Outro pai, um autônomo de 33 anos, também reclamou. Ele diz que no ano passado os alunos tiveram aulas aos sábados e ficaram 15 dias sem água e sem banheiro. O pai foi à escola na terça-feira (5) para efetuar a matrícula dos filhos quando uma atendente lhe avisou da situação.

“As salas estão sem portas, sem carteiras, não tem teto, os banheiros destruídos. Onde é para ter um banheiro, tem um vão. Até quando meus filhos vão ficar prejudicados sem aula? Vou ter que tirar e colocar numa escola particular, e mandar a conta para o Estado”, esbravejou.



é uma reforma não se faz em 30 dias de gov. faltou planej. da ad. passada entregou as moscas agora têm programa de tv que esta solidário com a populaçao mostrando os problemas ele se esquec
e q é um politico......
 
luis jose de oliveira em 06/02/2013 20:11:57
Mais esse povo realmente não sabe o que quer? Se a escola esta feia, caindo aos pedaços estão reclamando, agora se a escola esta passando por uma Mega reforma, para melhor atender os seus alunos Reclamam também. Não da pra entender.
 
Aline Maia em 06/02/2013 17:27:28
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions