A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

13/06/2012 13:59

Relatório do Cimi aponta que situação de indígenas em MS piorou

Viviane Oliveira
Índios guarani-kaiowá, entre a divisa de Aral Moreira e Amambai, onde Nísio desapareceu. (Foto: João Garrigó)Índios guarani-kaiowá, entre a divisa de Aral Moreira e Amambai, onde Nísio desapareceu. (Foto: João Garrigó)

O número de índios assassinados em 2011 é o menor identificado pelo Cimi (Conselho Indigenista Missionário) desde 2005, quando foram registrados 43 casos, contra os 51 do ano passado. Desde 2008, o número se mantinha em 60 casos anuais.

A informação é do relatório “Violência contra os Povos Indígenas no Brasil, divulgado nesta quarta-feira (13) pelo Cimi.

Embora a quantidade de mortes tenha ficado abaixo inclusive da média anual – 55,8 – calcula para o período entre os anos de 2003 e 2011, quando, ao todo, foram mortos 503 índios; a organização indigenista ligada à Igreja Católica destaca que o resultado não significa uma melhora no quadro geral da violência contra os povos indígenas.

De acordo com o órgão, houve uma piora em vários outros aspectos, por exemplo, nas tentativas de assassinatos e no número de suicídios e de índios que morreram por falta de assistência à saúde.

Para o Cimi, os 30 casos de tentativa de assassinato contra 94 vítimas representam um “aumento assustador” se comparados às 18 ocorrências registradas em 2010.

Entre os casos verificados no ano passado, 27 ocorreram em Mato Grosso do Sul, deixando um saldo de 85 vítimas. Pessoas que quase foram mortas em emboscadas ou ataques armados, como o ocorrido em junho de 2011 contra um ônibus escolar que transportava estudantes terena da aldeia Cachoerinha, de Miranda. Uma pessoa morreu.

O veículo foi cercado e apedrejado. Em seguida, o ônibus foi incendiado. Ao menos quatro crianças sofreram queimaduras e uma delas teve que ser internada.

O Cimi também faz um alerta sobre os crescentes casos de suicídio. No total, o relatório identifica 26 casos de índios que tiraram a própria vida e mais oito que tentaram se matar. A maioria das vítimas é do sexo masculino, tem até 24 anos e usa cinto ou fio de náilon para se enforcar.

Para o Cimi, os suicídios são a expressão de desespero dos povos indígenas diante da omissão do Poder Público, simbolizada, entre outros fatores, pela morosidade na regularização de terras indígenas.

Segundo o documento, nos oito anos de governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por exemplo, foram homologados 80 processos de demarcação de terras indígenas – número inferior ao verificado em todas as gestões do período pós-1988.

Segundo a antropóloga Lúcia Helena Rangel, a falta de assistência à saúde indígena prejudicou mais de 35 mil pessoas de 15 unidades da Federação. A situação mais grave, segundo ela, foi verificada no Amazonas, particularmente no Vale do Javari.

O relatório também menciona as agressões sofridas pelas comunidades que tentam retomar suas terras e que, em função dos conflitos de terras, são “atacadas por agressores que disparam tiros, indiscriminadamente”.

Exemplo do que ocorreu em novembro do ano passado, na comunidade Guayviri, de Amambai (MS). Segundo o Cimi, o cacique Nísio Gomes foi levado por pistoleiros que chegaram atirando. Gomes continua desaparecido até hoje.

Curso de instrutor de trânsito do Detran oferece 50 vagas na Capital
O Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) está com inscrições abertas para o curso de Formação de Instrutor de Trânsito e...
Mega-Sena acumula de novo e prêmio estimado sobe para R$ 43,5 milhões
Mais uma vez a Mega-Sena ficou sem vencedor na faixa principal e, com isso, a premiação acumulou e pode chegar a R$ 43,5 milhões no próximo concurso,...
Mega-Sena pode pagar R$ 39 milhões no sorteio deste sábado
A Mega-Sena deste sábado (16), que está acumulada, pode pagar R$ 39 milhões para quem acertar os seis números. O concurso 1.997 ocorre às 20 horas, h...


A maioria desses indios que morreram,foram mortos por eles mesmos,que muitas vezes estão bebados e acabam se matando entre si.
 
tereza cristina em 14/06/2012 09:37:39
Isso prova a imcopetência do CIMI que não estácumprindo sua nobre função de evangelizar o índio, para que saiba que Deus não faz acepção de pessoas e que o índio também tem direito de ser salvo, buscar o conhecimento para trabalhar e não necessite continuar invadindo terras, porque a violência causará mais violência e com certeza não é o que Cristo quer para todo ser humano.
 
Fauster Antonio Paulino em 13/06/2012 03:41:51
e` triste mas as autoridades estao cientes e nao tomam nenhuma posicao para protejer os indigenas matogrossense! A revista veja fez um artigo imenso em 1998 sobre a situacao dos indigenas em Mato Grosso do sul ,grandes agropecuarista matando indios para usar suas terras sem pagar arrendamento e sem autorizacao,e nunca teve uma investigacao... nenhum politico pra defender os coitados juridicamente!
 
Alda Fiedler em 13/06/2012 03:14:34
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions