A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

27/11/2009 15:19

Sem sinal de agressão, jornalista indiciado em 3 crimes

Redação

Após nove dias de investigação, o delegado do 1º Distrito Policial, Márcio Rogério Custódio, concluiu o inquérito pela morte do menino Rogério Mendonça, o Rogerinho, e do baleamento de seu avó, o pecuarista João Afonso Pedra, após uma briga no trânsito.

Sem sinais de agressão, para comprovar a tese de legítima defesa, o jornalista e dono do semanário Jornal Independente, Agnaldo Ferreira Gonçalves, 60 anos, foi indiciado em três crimes com agravantes.

O delegado o indiciou por homicídio doloso qualificado de Rogerinho, com dois agravantes: motivo torpe (vingança) e impossibilidade de defesa da vítima. Também foi indiciado por três tentativas de homicídio contra o condutor da caminhonete L-200, Aldemir Pedra Neto, e a irmã do menino, Ana Maria, de cinco anos; e porte ilegal de arma de fogo de uso permitido.

Para Custódio, o jornalista tinha intenção de matar. "Se ele não tivesse armado, não teria ocorrido esta tragédia", ressaltou o delegado durante entrevista coletiva, hoje à tarde, na DGPC (Diretoria Geral da Polícia Civil).

Sem brigas - O delegado concluiu que não houve brigas com agressões físicas, como alegou o jornalista. Prevaleceu a versão das vítimas, incluindo-se a do condutor da caminhonete. Duas testemunhas, incluindo-se uma que apareceu hoje de manhã, confirmaram esta versão.

De acordo com o delegado, os dois discutiram e trocaram empurrões. No entanto, não foi confirmada a agressão física do jornalista. O principal indício é de que ele chegou à Depac (Delegacia do Pronto Atendimento Comunitário) sem qualquer sinal de lesão ou agressão. O exame de corpo delito também não encontrou sinal de escoriações ou manchas em Gonçalves.

Outro agravante, segundo a polícia, é de que Agnaldo Ferreira Gonçalves sabia da existência de crianças dentro do veículo. No segundo momento do embate entre os dois condutores, na Avenida Mato Grosso, entre a Avenida Calógeras e a Rua 14 de Julho, no centro, o avô do menino saiu do carro e teria feito um apelo para se encerrar a briga ali. Ele teria destacado que não houve dano material e as crianças estavam na caminhonete.

Gonçalves se contradiz ao afirmar, em depoimento, que só atirou porque viu a arma de fogo em poder do Pedra Neto. No entanto, ele não explicou como conseguiu ver o revólver, mas não enxergou as crianças no banco de trás do veículo.

Laudos

Indenizações por morte no trânsito crescem 24% em relação a 2016
O número de indenizações pagas pelo Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro Dpvat) entre janeiro e novemb...
ANS regulamenta novas regras de compartilhamento para planos de saúde
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou duas resoluções normativas na tentativa de dar mais segurança e estabilidade ao mercado de pla...
UFMS recebe inscrições para vários cursos no Vestibular 2018
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions