ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, TERÇA  28    CAMPO GRANDE 16º

Cidades

Senado aprova reajuste no judiciário, mas servidores continuam greve em MS

Liana Feitosa | 01/07/2015 16:52
Servidores da justiça cruzam os braços e aguardam reajuste. (Foto: Divulgação)
Servidores da justiça cruzam os braços e aguardam reajuste. (Foto: Divulgação)

Senado Federal aprovou nesta terça-feira (30) o projeto que reajusta os salários dos servidores do Poder Judiciário Federal. Apesar da decisão favorável, o Sindjufe/MS (Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal e Ministério Público da União em Mato Grosso do Sul) decidiu, nesta tarde, que não vai encerrar a greve até que o projeto seja sancionado pela presidente Dilma (PT).

O PLC 28/2015 (Projeto de Lei Complementar) quer garantir aos servidores aumento médio de 59,5% nos próximos quatro anos. Para isso, greves e protestos foram realizados. Segundo o Sindjufe/MS, o principal pedido é a criação de um plano de carreira, reivindicação que é feita desde o ano passado.

Atualização - De acordo com o sindicato, os servidores estão há nove anos sem reposição de seus salários em relação à inflação, o que levou os vencimentos à defasagem de 50% em relação à alta de preços.

Nesta terça-feira, o governo expediu diversos pedidos de adiamento da pauta. Entre eles, o líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-MS). O senador entregou requerimento solicitando prorrogação, mas foi negado. Ao todo, 46 senadores contra 12 escolheram analisar o projeto original.

Para Delcídio, o direito do Judiciário a reajuste é inquestionável, mas acredita firmemente que a atual proposta será vetada pela presidência e, por isso, o projeto corre risco de ser derrubado, precisando ser retomado “do zero”.

Impacto - De acordo com o Ministério do Planejamento, o impacto do reajuste nos cofres públicos será de R$ 25,7 bilhões.

Para Antônio César Medina, do Sindjufe/MS, os servidores da Justiça e Ministério Público Federal de Mato Grosso do Sul permanecerão em greve até que o projeto seja sancionado pela presidência.

Ele está em Brasília para acompanhar a situação e não acredita que a presidente vetará o projeto. Segundo o sindicato, a greve tem adesão de 80% dos servidores, o que representa cerca de 250 funcionários parados em todo o Esatdo.

Nos siga no Google Notícias