A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

30/04/2014 12:50

Servidores terão reajuste de 8% , cartão alimentação e jornada menor

Aline dos Santos
Acordo foi fechado em reunião nesta quarta-feira. (Foto: Marcelo Victor)Acordo foi fechado em reunião nesta quarta-feira. (Foto: Marcelo Victor)

A Prefeitura de Campo Grande e o Sisem (Sindicato dos Servidores e Funcionários Municipais) bateram o martelo nesta quarta-feira sobre o reajuste para cerca de nove mil servidores inclusos nas categorias 1 a 13, que corresponde a ensino fundamental e médio. O acordo inclui reajuste linear (para todos) de 8%, cartão alimentação para 5 mil servidores, redução da carga horária e reconhecimento do benefício do Profuncionário (programa de capacitação).

O pedido inicial do sindicato era reajuste linear de 25%, mas as pretensões esbarraram na situação econômica da Prefeitura, que precisa aumentar a arrecadação em R$ 312 milhões para equilibrar as finanças. “O aumento será de 8%. Quase 2% a mais do que a reposição da inflação, que é de 6,25%”, afirmou o prefeito Gilmar Olarte (PP), num discurso pontuado por palavras como fé e coragem.

Com a negociação, os servidores administrativos da Educação terão cartão alimentação de R$ 120; o valor será de R$ 140 para agentes comunitários de saúde, técnicos e auxiliares de enfermagem. Para a Guarda Municipal, o cartão alimentação será de R$ 100.

O prefeito também anunciou a redução da jornada de 40 para 30 horas semanais para administrativos da Educação que, efetivamente, cumpram carga horária nas unidades escolares e Ceinfs (Centros de Educação Infantil). Os agentes comunitários de saúde terão jornada de 30 horas semanais, mediante cumprimento de dez visitas diárias, e reajuste de 10% na produtividade SUS (Sistema Único de Saúde).

“Nós reconhecemos outro benefício, que é o Profuncionário para os administrativos da Educação. O benefício será de 30% do vencimento base”, salienta o prefeito.

Atualmente, a folha de pagamento da Prefeitura totaliza R$ 86,5 milhões. O poder público não divulgou qual será o impacto do reajuste concedido hoje. Ainda falta definir o aumento para as categorias 14 a 16, servidores com ensino superior e a negociação com o Sindafis (Sindicato dos Trabalhadores no Serviço de Fiscalização).

Hoje à tarde, na ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública), será discutida a forma para conceder o reajuste de 18,33% aos professores. O percentual já está previsto em lei. O prefeito chegou a falar em escalonamento, mas a categoria, com cerca de 5,5 mil profissionais, cobra a aplicação integral.

Na segunda-feira, após reunião com os professores, Olarte declarou que, com o reajuste, a folha de pagamento poderia ultrapassar os 51% da receita corrente líquida, ferindo a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal). Nesta situação, o prefeito responde por improbidade e os recursos federais para a Capital são bloqueados.

Sonho – Presidente do Sisem, Marcos Tabosa avalia que o acordo trouxe avanços, como a redução da jornada. “O prefeito Gilmar Olarte nos concedeu um sonho”, diz.

Nos cálculos do sindicato, o cartão alimentação vai beneficiar cinco mil servidores. Somando aumento salarial e benefícios, há categoria que teve reajuste acima de 35%, como os agentes comunitários. O salário médio nas categorias 1 a 13 é de R$ 800.

Para os servidores com ensino superior, o acordo deve ser finalizado até segunda-feira. Ao todo, o Sisem representa 10.500 servidores.



Por acaso o SISEM existe para cuidar dos interesses apenas dos servidores da educação????
 
EUSELY BATISTA MARTINS em 01/05/2014 22:57:33
Qual é o motivo da discriminaçao entre servidores?????, pois é recolhida a contribuiçao sindical sem distinção e na hora da negociação privilegiar apenas uma parcela da mesma categoria???? os administrativos da saúde são mais "insignificantes", menos importantes???? queremos uma resposta do dignÍssimo representante do SISEM.!!!!!
 
EUSELY BATISTA MARTINS em 01/05/2014 22:51:50
Sem comentário esses fatos, até porque os servidores administrativos na sua grande maioria ganha menos que o salario minimo e só concede 8% de aumento me poupe há anos que a prefeitura tem recorde e recorde de receita e não possui plano de cargo e carreira, e detalhe tem que conceder 30 horas para demais secretaria também e os benefícios da mesma forma, não é só a secretaria de educação e saúde apenas, até porque as outras secretaria executam bom trabalho nada mais justo em ser igualitário.
 
Ronaldo Barbosa Alves em 30/04/2014 18:34:36
Qual é a diferença entre o Administrativo da educação e o da saúde?????? Para entrar no na Prefeitura todos fazem concurso com carga horária de 40 horas, porque só o da educação irá ter redução de carga horária???????? Assim como a educação, todas as outras Secretarias são importantes na Prefeitura, ou será que o dinheiro que é repassado todos os anos para o SISEM é só da educação????
 
claudia costa em 30/04/2014 16:40:26
ENTÃO QUER DIZER QUE O ADMINISTRATIVO DA SAÚDE NÃO TEM DIREITO A CARTÃO DE VALE ALIMENTAÇÃO, SE VAI DAR AUMENTO E BENEFÍCIOS QUE SEJA PARA A CLASSE TODAS DOS TRABALHADORES.
 
HEVERLYN AMORIM DE SÁ VAZ em 30/04/2014 13:41:24
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions