A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Outubro de 2017

20/07/2009 17:14

STF nega auxílio moradia a magistrado aposentado de MS

Redação

O STF (Supremo Tribunal Federal) negou o pedido de liminar para o desembargador aposentado do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) voltar a receber o auxílio moradia. O ministro Celso de Mello, presidente em exercício, negou a solicitação feita no mandado de segurança 28.135.

A gratificação foi suspensa pelo TJ/MS por determinação do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), que determinou o fim benefício pago a 72 magistrados aposentados, sendo 20 desembargadores e 52 juízes.

O pedido foi feito pelo desembargador J.O.S., que teve o salário reduzido de R$ 14.973.08 para R$ 10.560,42 por mês. Celso de Mello lembrou que o Supremo já determinou, mais de uma vez, que as regras determinadas no artigo 65 da Loman (Lei Orgânica da Magistratura Nacional), entre elas a do auxílio-moradia, são taxativas e não podem se ampliadas por legislação estadual.

Segundo ele, o pedido do desembargador aposentado é "aparentemente incompatível com o rígido delineamento que a Loman estabeleceu, de modo exaustivo, em tema de vantagens pecuniárias suscetíveis de válida percepção por magistrados em geral".

Celso de Mello alerta que a Loman prevê a possibilidade de pagamento de auxílio-moradia para magistrados que necessitem de "ajuda de custo, para moradia, nas localidades em que não houver residência oficial à disposição [deles]".

Ele explica que tanto o artigo 65 da Loman (inciso II) e a decisão do CNJ determinam que essa ajuda de custo para moradia "destina-se a indenizar, de modo estrito, o magistrado que não dispõe, na localidade em que exerce a jurisdição, da casa própria ou de residência oficial ou, ainda, de imóvel posto à sua disposição pelo poder público".

Diante dessas constatações, o ministro conclui: "O que não parece razoável, contudo, é deferir-se auxílio-moradia a juízes que já se achem aposentados, não mais estando, em consequência, no efetivo exercício da função jurisdicional, pois a situação de inatividade funcional descaracterizaria a própria razão de ser que justifica a percepção da mencionada ajuda de custo".

O ministro lembra ainda que o recebimento de valor em desacordo com as regras da Loman, "por implicar transgressão à lei, não legitima a invocação de direito adquiridos". Ele também ressalta que sua decisão foi tomada em "juízo de estrita delibação" e "sem prejuízo de ulterior reexame" do pedido.

No mandado de segurança, o desembargador aposentado argumenta que o cumprimento da decisão do CNJ resulta em diversas ilegalidades: exorbita suas funções constitucionais ao legislar e julgar; usurpa competência do STF, único competente para analisar a decisão do TJ-MS de manter o pagamento do auxílio, além de violar os princípios constitucionais do contraditório, da ampla defesa, do devido processo legal, do ato jurídico perfeito e do direito adquirido.

Golpista se passava por proprietário de locadora para enganar vítimas
Um funcionário e ao menos quatro pessoas que comprariam ou alugariam um carro foram vítimas de um falso dono de uma locadora de carros em Campo Grand...
Após quatro meses de formação, Corpo de Bombeiros recebe 62 novos cabos
O Corpo de Bombeiros ganhou nesta sexta-feira (20) 62 novos cabos, formandos no curso que iniciou no dia 26 de junho e que receberam a nova patente e...
No 3º concurso da semana, Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 11,5 milhões
A Mega-Sena poderá pagar R$ 11,5 milhões a quem acertar as seis dezenas do concurso 1.980 e ganhar o prêmio principal da loteria, que será sorteada n...
Ministra diz que portaria sobre trabalho escravo destrói Lei Áurea
  A ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois, afirmou que a portaria do Ministério do Trabalho que altera a conceituação de trabalho escravo e...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions