A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

28/09/2013 09:51

STJ mantém demissão de agente que divulgou vídeos de presídio federal

Edivaldo Bitencourt

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) negou mandado de segurança e manteve a demissão do agente federal Yuri Mattos Carvalho da Penitenciária Federal de Campo Grande. Ele foi punido com exoneração por causa da divulgação ilegal de vídeos de monitoramento que mostram conversas entre advogados e seus clientes.

A decisão é da 1ª Seção do STJ. O relator do processo, ministro Mauro Campbell Marques, não viu ilegalidade nem irregularidades no processo disciplinar instaurado pelo Depen (Departamento Penitenciário Federal), que resultou na demissão de Yuri e outros três agentes em maio de 2011. Os vídeos foram divulgados em 2008.

Yuri Mattos Carvalho pediu a nulidade do processo e a imediata reintegração no cargo, com o pagamento dos vencimentos e demais vantagens desde a data da demissão.

Entre outros pontos, alegou incompetência da autoridade instauradora do processo administrativo disciplinar e inobservância do devido processo legal. Sustentou que a demissão teria sido motivada por perseguição promovida pela administração contra sindicalistas que assinaram denúncias de irregularidades.

Segundo o ministro relator, Mauro Campbell Marques, a conduta imputada ao servidor se insere no inciso IX do artigo 132 da Lei 8.112/90, pois se apurou que o servidor revelou, de forma intencional, vídeos sigilosos aos quais teve acesso por exercer o cargo de agente penitenciário.

“É de se notar que tal grave cometimento constitui inclusive crime de violação de sigilo profissional, tipificado no artigo 325 do Código Penal”, acrescentou o relator em seu voto.

Sobre a alegada incompetência da autoridade que instaurou o processo disciplinar, o ministro ressaltou que o artigo 141, inciso I, da lei 8.112, estabelece a competência do presidente da República para julgamento de processos administrativos e aplicação da penalidade de demissão de servidor, competência essa delegada aos ministros de estado pelo decreto 3.035/99.

“Nota-se que, no caso em exame, a delegação de competência para a aplicação da pena de demissão e cassação de aposentadoria ou disponibilidade de servidor restou incólume, na medida em que a imposição da penalidade máxima decorreu de ato emanado do ministro da Justiça”, concluiu o relator.

Segundo o ministro, a portaria que instaurou o processo administrativo disciplinar foi emitida pelo diretor-geral do Departamento Penitenciário Federal, que detém competência para instaurar procedimentos para apurar faltas de seus subordinados, e atendeu a todos os requisitos legais de validade.

Mauro Campbell também afastou as alegações de falta de provas e de perseguição política. Para o ministro, “não merece acolhida a alegação de que a demissão teria resultado de um processo administrativo no qual não restaram comprovados os ilícitos imputados ao impetrante, o qual seria alvo de perseguição implementada por ser ele membro de sindicato”. A decisão que negou o mandado de segurança foi unânime.

Depen apura se agentes retiram imagens de presídio
O diretor do Depen (Departamento Penitenciário Nacional), Wilson Damásio, confirmou a investigação da Polícia Federal após denúncia envolvendo imagen...
Mega-Sena acumula e prêmio no sábado pode chegar a R$ 39 milhões
A Mega-Sena mais uma vez ficou sem vencer na noite desta quarta-feira (13) e, assim, acumulou. O prêmio pode subir para R$ 39 milhões no sorteio do p...
Chuva intensa de meteoros terá pico na madrugada de quinta-feira
A chuva de meteoros Geminídeos – uma das mais intensas e brilhantes do ano – vai ocorrer durante a noite de hoje (13) e a madrugada de amanhã (14) e ...
STF tem maioria a favor de delação negociada pela Polícia Federal
O Supremo Tribunal Federal (STF) formou hoje (13) maioria para manter a autorização legal para que a Polícia Federal (PF) possa negociar delações pre...


ENGRAÇADO É QUE SE FOSSE AO CONTRÁRIO NÃO DARIA NADA. A SOCIEDADE AINDA NÃO PERCEBEU QUE NO BRASIL OS DIREITOS HUMANOS ESTÃO LIGADOS AS FACÇÕES E A OAB.
 
jorge ferreira em 28/09/2013 16:33:16
Estamos ferrados com está justiça brasileira que protege os peixes grandes. Vejam só comunidade, o cidadão denuncia que direitos dos advogados dos presos estão sendo violados, pois é, preso também tem direito, ai ao invés de mandar prender o responsável por estes crimes, pune o agente que fez as denuncias. Ai vem um falar essas besteiras. Lamentável.
 
Roberto Cavalo em 28/09/2013 13:17:30
Yuri, quanto será que vc faturou em cima do vd? Agora vc se lascou mesmo. Perdeu um bom emprego e talvez não poderá mais concorrer a cargo publico por ser um traíra aos demais colegas. Agora lhe resta recorrer aos "infringentes" da Côrte. Nossa!
 
samuel gomes-campo grande em 28/09/2013 10:10:11
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions