A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

02/08/2011 09:40

TCU investiga uso irregular de dinheiro público na Expogrande 2010

Vinícius Squinelo

Acrissul recebeu mais de R$ 1 milhão do Ministério do Turismo, e MPF questiona prestação de contas da entidade

Atendendo solicitação do Ministério Público Federal, o Tribunal de Contas da União está investigando as contas da Expogrande 2010. Segundo a denúncia, a verba de R$ 1.010.000,00 recebida por meio de convênio com o Ministério do Turismo, seria para o pagamento dos shows musicais durante o evento. No entanto, o show teria sido realizado por uma empresa privada, e não foi revelado o valor arrecadado com a venda dos ingressos, nem apresentado notas fiscais comprovando o pagamento dos cachês dos cantores.

“À vista da ausência de todas estas informações e documentos na prestação de contas do convênio em exame, conclui-se que a prestação de contas foi apenas parcial, não sendo possível realizar juízo de valor sobre a gestão dos recursos repassados”, concluiu a auditora fiscal do Tribunal de Contas da União Maria José Pedroli.

Antes da Exposição, o procurador Ramiro Rochenbach da Silva Matos Teixeira de Almeida tentou impedir o repasse dos recursos federais, mas não conseguiu. A investigação do MPF teve início após representação feita por universitários da Faculdade Estácio de Sá, que questionaram o uso de dinheiro público na exposição. Mesmo com o convênio firmado com o Ministério do Turismo, a Expogrande 2010 cobrou normalmente ingressos do público.

Ao analisar os fatos, o MPF considerou abusiva a cobrança em razão do aporte de recursos públicos no valor de mais de R$ 1 milhão. O procurador considerou ilegal o evento cultural ser tratado com empreendimento privado, pois o pagamento dos artistas foi custeado com recursos públicos. O pedido de liminar foi indeferido pela Justiça Federal, mesmo assim, o juiz federal registrou que as “suspeitas de superfaturamento do orçamento devem merecer a atenção da Justiça”.

Ao investigar o caso, a auditora Maria José Petroli verificou que além das contas do Ministério do Turismo, a Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), responsável pela organização do evento, não prestou contas do valor recebido com a Expogrande de 2010 envolvendo vários outros parceiros. “A Expogrande 2010 contou com 1.500 expositores e 250 estandes de alimentação, que obviamente pagaram algum preço pela ocupação do espaço. Também esses valores não constaram na prestação de contas”, alertou.

A auditoria também constatou a ausência da prestação de contas das receitas com a exposição de animais. Pelos cálculos do Tribunal de Contas da União, a Acrissul pode ter lucrado R$ 168 mil com este negócio, envolvendo a venda de “argolas” para animais que iriam a julgamento ou para aqueles que ficariam somente em exposição.

A investigação apurou que nos relatórios de vistorias efetuados por técnicos do Ministério do Turismo não consta qualquer menção ao número de pessoas pagantes durante a Expogrande 2010, bem como a prestação de contas com a venda de ingressos de camarotes para os shows, que chegaram a ser vendidos a R$ 60 nas sextas-feiras e sábados. Todas estas informações deveriam constar na prestação de contas.

Maria José Pedroli em seu relatório lembra que, de acordo com o plano de convênio estabelecido entre a Acrissul e o Ministério do Turismo, cada show tinha seu preço total divido em dois, sendo uma parte custeada com recursos federais e outra parte a ser paga “com outra fonte de recursos”. O valor máximo por show custeado pelo Ministério de Turismo seria R$ 80 mil. Porém, na prestação de contas, não consta a origem dos recursos pela qual se efetuou a diferença, nem houve apresentação da respectiva nota fiscal.

Diante de todas estas constatações, o Tribunal de Contas da União decidiu averiguar com mais profundidade os fatos e possíveis falhas e irregularidades ocorrida na gestão dos recursos federais repassados pelo Ministério do Turismo. Foi solicitado aos diversos órgãos e instituições que apoiaram ou adquiram cotas para apresentarem os documentos relativos aos valores pagos para utilização de estandes, bem como quem foi o respectivo beneficiário do pagamento.



Parabéns aos acadêmicos da Estácio. Assim se faz cidadania. Mas, é praticamente certo que isso vai vira pizza. Alguém duvida?
 
Fernando Silva em 02/08/2011 10:33:32
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions