ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, TERÇA  20    CAMPO GRANDE 29º

Cidades

TJ anula sentença sobre impacto ambiental da Cesp

Redação | 29/04/2010 11:58

Após o MPE (Ministério Público Estadual) recorrer, a 5ª Turma Cível do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) anulou a sentença que homologou o TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) entre a Cesp (Companhia Energética de São Paulo), o Estado de Mato Grosso do Sul, o MPE e os municípios de Anaurilândia, Bataguassu, Santa Rita do Pardo, Brasilândia e Três Lagoas.

Além de irregularidade formal, o MPE aponta que o termo trouxe prejuízos ao interesse público, pois exonerou a Cesp, de obrigações ainda não cumpridas, de cunho ambiental e pecuniário.

O TAC era relativo ao impacto ambiental causado pela construção da usina hidrelétrica de Porto Primavera (Engenheiro Sérgio Motta). O pedido do Ministério Público foi julgado no último dia 22 de abril.

O relator do processo, desembargador Júlio Roberto Siqueira, e os desembargadores Sideni Soncini Pimentel e Luiz Tadeu Barbosa Silva deram provimento ao recurso por unanimidade.

Os promotores Alexandre Lima Raslan e Candy Hiroki Cruz Marques Moreira apresentaram a ação porque o TAC, firmado em 2001, foi assinado pelo procurado-geral do MP. Mas a responsabilidade caberia a promotores da 30ª Promotoria de Justiça.

Além do fato de que o acordo não poderia ser homologado por ferir o princípio do promotor natural, a 5ª Turma Cível também observou nos autos que a homologação também não poderia ter ocorrido enquanto não apuradas as alegadas lesões ao interesse público.

Como a não atualização monetária de um montante de R$ 1.247.505,97 devidos pela Cesp em razão da realização de obras de interseção da rodovia MS-395 com a rodovia BR-267 e a previsão do pagamento deste valor em cinco parcelas sem qualquer correção.

Outro ponto postulado no acordo tratou da quitação das obrigações da Cesp relativas ao trecho III, da rodovia BR-395, embora existindo pendências financeiras e ambientais com relação à obra.

Nos siga no Google Notícias