A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018

18/04/2017 19:12

União estuda medida para evitar que CCR pare com obras em MS, diz Moka

Uma das ações que está em análise é a edição de uma MP, que não teve o conteúdo revelado. Nova reunião acontece na terça que vem

Nyelder Rodrigues
Em reunião no Ministério dos Transportes, Moka tratou solução para impasse sobre a BR-163 em MS (Foto: Divulgação)Em reunião no Ministério dos Transportes, Moka tratou solução para impasse sobre a BR-163 em MS (Foto: Divulgação)

O senador sul-mato-grossense Waldemir Moka (PMDB) se reuniu nesta terça-feira (18) com o ministro dos Transportes, Maurício Quintella Lessa, em busca de solução para a paralisação das obras de duplicação da BR-163, realizada pela CCR MSVia. No encontro, o parlamentar foi informado que a União estuda ações para evitar o problema.

A situação veio à tona a partir do pedido da concessionária, responsável por administrar a rodovia em Mato Grosso do Sul, de revisão do contrato que tem com o Governo Federal. A empresa indica que a arrecadação atual é insuficiente para atender as demandas do acordo, a principal delas, a duplicação até 2020 da BR-163.

De acordo com Waldemir Moka, o ministro Quintella revelou que o Governo Federal estuda a edição de uma medida provisória para tentar resolver o caso. Além disso, foi marcado uma nova reunião para terça-feira (25), envolvendo também o presidente da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), Jorge Bastos, e a bancada parlamentar do Estado.

"A bancada toda está mobilizada para evitar essa paralisação. Hoje o ministro já revelou que tramita uma medida provisória que visa recursos para contornar essa situação, mas não é ainda uma coisa garantida. Detalhes mesmo vamos saber na terça-feira que vem, por enquanto a notícia é essa", comenta o senador Moka.

O conteúdo da medida provisória não foi revelado. As MPs tem poder de lei e podem servir para várias situações, como redução de impostos, ampliação de prazos e concessão de financiamentos, entre outros benefícios.

Crise - Para suspender as obras e pedir revisão do contrato, a CCR MSVia alega que desde a assinatura do contrato as condições econômicas do país mudaram, as taxa de juros subiram de 5% para 7,5% no período e em 2013, quando as projeções foram feitas, o Brasil não passava pelas dificuldades, que iniciaram em 2014.

A empresa também afirmou, em coletiva de imprensa, que cogita rescindir o contrato caso não tenha o prazo ampliado, mesmo sob pena de multa. Entretanto, os valores não são revelados, mas há estimativa que gire na casa de milhões de reais.

O contrato do Governo Federal com a empresa, assinado em março de 2014, exige que as obras estejam terminadas até o quinto ano da concessão, ou seja, 2020. Porém, a CCR propõe que haja duplicação de 400 km até o décimo e 15º ano de concessão. A BR-163 tem 806 km de duplicação para ser realizado em Mato Grosso do Sul.

Sancionada lei que amplia licença paternidade para as Forças Armadas
O presidente da República em exercício, o ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli, sancionou hoje a lei que aumenta de cinco para 20 dias a...
Fies abre inscrições para vagas remanescentes
Estão abertas, a partir de hoje (24), as inscrições para as vagas que não foram preenchidas no processo seletivo regular do Fies (Fundo de Financiame...


Na minha opinião tudo isto é pressão para conseguir mais dinheiro do BNDES, bem como aumentar os preços dos pedágios! Quem viver verá. Lembro que o preço oferecido pela CCR para ganhar o leilão era para ser R$4,38, porem misteriosamente 9 messes depois se iniciou a cobrança no valor de R$7,20. Por que a ANTT autorizou um aumento de 68%???? Para nossa análise! Considerando a corrupção praticada por esta empresa na LAVA JATO...
 
Milton Barbosa em 19/04/2017 18:50:50
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions