A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

05/12/2012 15:42

Viúva de policial assassinado receberá R$ 200 mil de indenização

Nícholas Vasconcelos

A viúva do policial civil Alberico Moreira Cavalcante, 51 anos, vai receber R$ 200 mil de indenização do Governo do Estado pelo assassinato do marido, ocorrido Ponta Porã em 2005.

O crime foi encomendado pelo ex-bombeiro Ales Marques, que é acusado de envolvimento com tráfico de drogas. Alberico foi morto porque abordou o filho do ex-militar durante um racha e investigava o tráfico de drogas na região de fronteira.

Conforme o TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), a indenização foi negada em 1º grau porque julgou improcedente o pedido, por entender se tratar de responsabilidade subjetiva, não tendo sido demonstrada a existência da alegada omissão do Estado, não sendo comprovado que a Policia Civil tinha conhecimento dos riscos imediatos a que seu agente estava submetido. O magistrado concluiu que não havia situação omissiva que pudesse gerar indenização.

Conforme o processo, a viúva pediu a indenização não como forma de colocar um preço para sua dor, mas algo que lhe proporcione um meio de atenuar, em parte, as consequências da lesão jurídica, uma vez que a dor moral deve ser ressarcida se praticado desrespeito contra a pessoa humana.

O Governo do Estado alegou que no dia do crime o policial não estava a serviço, mas de “folga”, o que retira do poder público qualquer responsabilidade. Alegou ainda não conhecer a gravidade dos riscos, conforme os autos a atuação criminosa foi imprevisível, impedindo até mesmo a atuação do próprio agente em sua defesa.

O desembargador relator, Luiz Tadeu Barbosa Silva, manteve a sentença e o revisor, Des. Júlio Roberto Siqueira Cardoso pediu vistas e sustenta que é indiscutível o fato do policial ter sido morto em razão de sua profissão, por estar investigando traficante de drogas.

O revisor explica ainda que a tese defendida pelo Estado não se sustenta, já que o fato do policial não estar a serviço no dia dos fatos não afasta de maneira nenhuma a responsabilidade estatal de sua morte, originada por seu trabalho, já que esta teria sido “encomendada” por traficantes alvos de investigação pelo tráfico de entorpecentes. “É certo que não deixa de ser policial independente dos trajes que utiliza e horário que se encontra”, afirmou.

Ainda conforme a decisão, o valor da indenização deve ser corrigido pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) e juros de mora de 6% ao ano. O revisor inverteu o ônus da sucumbência, devendo o Estado arcar com o pagamento das custas e dos honorários advocatícios fixados na sentença.

 

PM está investigando saída irregular de acusado de planejar morte de juízes
Será aberta uma sindicância para apurar os responsáveis A assessoria de imprensa da Polícia Militar, informou no fim da tarde de hoje que denúncia s...
Mega-Sena acumula e prêmio no sábado pode chegar a R$ 39 milhões
A Mega-Sena mais uma vez ficou sem vencer na noite desta quarta-feira (13) e, assim, acumulou. O prêmio pode subir para R$ 39 milhões no sorteio do p...
Chuva intensa de meteoros terá pico na madrugada de quinta-feira
A chuva de meteoros Geminídeos – uma das mais intensas e brilhantes do ano – vai ocorrer durante a noite de hoje (13) e a madrugada de amanhã (14) e ...
STF tem maioria a favor de delação negociada pela Polícia Federal
O Supremo Tribunal Federal (STF) formou hoje (13) maioria para manter a autorização legal para que a Polícia Federal (PF) possa negociar delações pre...


AINDA BEM QUE EXISTEM HOMENS DIVINOS E QUE ENXERGAM BEM MAIS QUE A ESTRITA LEGALIDADE, OU SEJA, ENXERGAM A JUSTIÇA, COMO BEM ASSEVEROU O DIGNO DESEMBARGADOR EM COMENTO QUE VIU O TRABALHO ININTERRUPTO DESTE POLICIAL QUE MORREU EM SERVIÇO E EM PROL DA COLETIVIDADE. ESTUDEI QUE O POLICIAL CIVIL É POLICIAL 24 HORAS POR DIA. PARABENS DES.
 
jose botelho em 05/12/2012 17:23:19
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions