ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 26º

Bate Papo Empreendedor

Não existe justiça? Muitas vezes parece que não

Heitor Castro | 17/02/2022 08:30

Parece que não existe justiça no mundo. Muitas coisas acontecem na nossa vida e fazem com que a gente se sinta injustiçado.

Quando eu penso sobre justiça, me vem na cabeça a era grega clássica, quando os atenienses fundaram uma sociedade que se orgulhava de seus princípios de democracia e justiça, mas Atenas possuía uma base, Sócrates. Sua visão seria muito mais pautada em não aceitar a maneira como as coisas são e questionar o sistema e todo o resto, para ver se estava entendendo tudo direito; nada o faria concordar nem discordar, tampouco ofereceria qualquer solidariedade ou conselho, começaria a perguntar o que você pensa e o que quer dizer exatamente com justiça, o ponto crucial é sempre: “Sim, mas…” seguida por perguntas que farão você duvidar do que disse inicialmente; uma forma que ele encontrou para chegar ao núcleo de qualquer problema, antes de tentar propor uma solução.

Eu diria que, em geral, somos capazes de identificar quando algo é justo ou não, mas não conseguimos explicar o que é a própria justiça; podemos reconhecer quando a vemos em ação, mas fracassamos ao tentar defini-la. Claro, é importante se empenhar em esclarecer a diferença entre justiça e igualdade, embora a igualdade seja uma forma de justiça, e justiça nem sempre significa o mesmo que igualdade.

O que nos leva ao problema de definir o que entendemos por “igualdade”, e a verdade é que existem diferentes tipos de “igualdade”.

Assim como os atenienses procuraram criar uma sociedade justa, alguns dos pensadores revolucionários nos EUA e França nos século xviii queriam fundar uma sociedade mais igualitária também.

Alguns diriam que a injustiça se deve ao privilégio, de que algumas pessoas nascem em posições de poder e riqueza, enquanto outras são excluídas, mas isso pode ser remediado desde que se proporcionem a todos os mesmos direitos a certas coisas, uma igualdade de oportunidades.

Outros diriam que está ótimo ter igualdade de oportunidades por “lei”, mas isso não serve de consolo se o sistema continua lhe negando a capacidade de fazer algo concreto, não é só o privilégio que leva a injustiça, é também o famoso “direito adquirido”, nossa sociedade tende a proteger os direitos de certas pessoas, especialmente “os direitos”, e ainda tem a causa básica dos problemas que é a distribuição desigual da riqueza; não importa quais sejam seus direitos, não haverá igualdade de resultado enquanto isso não for abordado.

Talvez haja então dois tipos diferentes de igualdade: A de oportunidades e de resultados; os direitos iguais ou a participação equitativa. O problema é como você decide quem merece o quê?

Podemos pensar sobre a situação e concordar que o mundo não é justo; justeza é o principio subjacente a justiça. E se por acaso você tivesse nascido numa classe privilegiada e se tornasse presidente de uma empresa ganhando uma fortuna? Em particular, você poderia até admitir que isso não é exatamente justo, mas não reclamaria.

Aqueles com alta renda tendem a descartar os gritos por igualdade com a “política da inveja”, enquanto os que ganham mal denunciam a desigualdade crescente como sendo a “política da ganância”.

Tudo isso é injusto, ambos não podem ter razão, mas existiria um meio de chegar a uma visão mais justa?

Imagine que você estava abrindo um negócio com outras pessoas e não sabia se viria a ser o CEO, o gerente de médio escalão, ou um trabalhador do chão de fabrica; como isso afetaria sua forma de decidir a estrutura salarial e a duração do tempo de trabalho? O fato é que, como você estaria trabalhando atrás do “véu de ignorância” sobre sua posição na empresa, é bem provável que optasse por um sistema equitativo que fosse justo para todos.

Mesmo assim podemos discordar, e pensar que o principio de justiça é o “direito adquirido”, não privilégio, mas direito legal, e isso pode resultar na desigualdade que você acha injusta, mas é, mesmo assim, justa. Se você possui algo, ninguém mais tem direito a isso, a não ser que você o venda ou de de presente ou tenha adquirido ilegitimamente. Assim, corrigir a injustiça de tudo reduzindo a fortuna do seu chefe e aumentando a sua seria injusto, quer você goste ou não, ele faz jus, como gerente ou dono da empresa, ao que conquistou, contanto que tenha adquirido suas posses por meios legítimos; e você também faz jus ao que obteve, nada mais, nada menos.

O fato é que podemos pensar sobre o motivo das injustiças, pensar na desigualdade, que não é injustiça. Podemos defender a igualdade de oportunidades, a igualdade de resultados; definir a justiça como justeza, ou até como direito adquirido. Você é quem escolhe como pensar.

Nos siga no Google Notícias