ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEXTA  10    CAMPO GRANDE 16º

De olho na TV

Águas rolaram no carnaval da capital

Por Reinaldo Rosa | 19/02/2015 09:56

SEMPRE CORUMBÁ – Matérias sobre desfiles das escolas de Samba de Corumbá e Campo Grande desfilam grandes diferenças reinantes. Tradição da passarela do samba, na capital, é como o futebol do Estado; não pega nem no tranco.

DOAR SEM DOR – Edição “Especial” de jornalismo sobre a importância da doação de sangue pode registrar bons resultados. A audiência foi acompanhada de considerável volume de bolsas para o estoque do Hemosul.

LIBERDADE ABRE AS ASAS SOBRE NÓS - Ovacionada pela plateia aos gritos de "é campeã!", a Beija Flor de Nilópolis defendeu enredo patrocinado pela Guiné Equatorial, país africano comandado há 35 anos por Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, que, segundo a ONG Anistia Internacional, é acusado de violações de direitos humanos, tortura e prisões arbitrárias. O carnavalesco evitou a ‘Ala da Mordaça’ e ‘Direitos Humanos’.

DESCE REDONDO - O Camarote Bar Brahma, um dos mais badalados do Circuito Dodô (Barra-Ondina), no Carnaval de Salvador, foi cancelado após parte da estrutura do camarote não suportar a forte chuva e ceder. Uma pilastra ruiu às 5h, pouco depois do camarote ter fechado por volta das 4h.

A VOLTA - Glória Perez está envolvida com a sinopse de uma próxima novela. Todo o seu tempo estará reservado para isso. O último trabalho da autora foi a série policial "Dupla Identidade".

PARA POSTERIDADE - Ellen Rocche, rainha de bateria da Rosas de Ouro (SP), afirmou que "prefere ser feliz do que ser magra". A loira atraiu a atenção desde o momento em que chegou à concentração e se mostrou em paz após com sua missão na escola. Se no desfile de 2014 Ellen disse que estava "com excesso de gostosura", neste ano ela disse que prefere ser feliz a ser magra. Enredo de carnaval.

REPLAY - Durante toda a cobertura dos últimos dias, se evidenciou a necessidade das emissoras de TV em reinventar a transmissão do carnaval. O modelo que de muitos e muitos anos é utilizado está completamente esgotado, falido na sua forma e conteúdo. Não há nada mais monótono e enfadonho, para quem está em casa, do que acompanhar o desfile de uma escola durante 80 minutos, mesmo se ressalvando todas as suas belezas ou demais atrativos, segundo Flávio Ricco, no Uol.

CÁ COMO LÁ – Repetidoras regionais de TV seguiram o mapa. Data, hora, local dos desfiles; resultados dos julgamentos das Escolas, etc. Faltou a transmissão direta (ainda bem) dos passistas, na Praça do Papa.