A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 23 de Junho de 2017


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


09/05/2016 11:36

Tela quente de Brasília não repercute no rádio e TV de MS

Reinaldo Rosa

FIM DE FESTA – TV Morena apostou fichas – em obediência à orientação da rede Globo – e transmitiu jogos do campeonato estadual de futebol ao vivo. Com o borderô da partida final da competição registrando 880 pagantes e quase o mesmo total de ‘cortesias’, a discussão de decisões tomadas no evento voltam à baila.

NEM MOSCAS MUDAM – Estranha-se o mutismo da imprensa em geral sobre a parte diretiva da Federação de Futebol de Mato do Sul. Pouco atrativo oferecido aos torcedores; clubes obrigados a liquidar elenco a cada final de participação no torneio e inexpressão do esporte local no cenário nacional. Pauta a cronistas esportivos que têm hercúlea tarefa de fazer o futebol alçar voos mais dignos.

FOI BEM – De um lado, equipamentos de última geração e equipe capacitada de funcionários à serviço de transmissões diretas. De outro, falta de estádios com o mínimo de conforto a torcedores e boas condições de trabalho para a imprensa especializada. Futebol local só registra gols contra e torcida frustrada.

VEM AÍ – Semana que decide destino da presidente Dilma Rousseff será de tela quente e rádios plugados nos acontecimento. Repórteres de pautas políticas – de rádios e TVs – em Mato Grosso do Sul poupam os representantes do Estado de entrevistas mais incômodas, digamos assim. Amenidades seguem ao ar em modorrentas entrevistas.

ANTES DA CAMA – Loucos por análises mais profundas sobre fatos políticos agradecem. A iniciativa da TV Guanandi colocar no ar o ‘Canal Livre’, da Band, logo após o ‘Pânico’ é comemorada. A bancada de jornalistas e entrevistados proporcionam explicações de fácil entendimento ao telespectador. A lamentar, a parcialidade e rancor de Boris Casoy.

OVERDOSE – Retransmissoras de TVs de Campo Grande apostam nos bons resultados proporcionados por noticiosos no horário do almoço. Ellen Genaro e o informativo da Rede MS marcam-se como opção que já incomoda a concorrência.

NÃO BATE – O coronel de Antonio Fagundes não é congruente com o coronel de Rodrigo Santoro, em ‘Velho Chico’, na rede Globo. Sempre preocupada com o ibope das tramas do principal horário novelístico da emissora, providências nada pacíficas estão em prática.

É UMA MÃE – Segundo domingo de maio marcou ibope do programa de João Bosco de Medeiros, na FM Cidade. Total de mensagens às mães de ouvintes superou tempo de execução musical.

Grupo Acaba vive, mesmo fora da mídia
ESTAMOS JUNTOS – Mesmo ausente da grade musical da maioria de emissoras de rádios e retransmissoras de TVs locais, o Grupo Acaba vive –e sobrevive-. ...
Música regional de MS é atração rara nas emissoras locais
ESTRELAS FAZEM SINAL – Paulo Simões, Geraldo Roca, autores da música 'Trem do Pantanal', considerada hino não oficial de MS, não têm o destaque merec...
Só um 'não' ao ouvinte pode tirar rádio da mesmice
LINHA FECHADA – Quando é preciso dizer ‘não’. Difusora AM também abre espaço para atendimento de pedidos musicais dos ouvintes. Perigo à vista; maior...
Rádio muda pouco na mudança da faixa AM para FM
NADA DE NOVO – Bolo gigante recheado de alianças na festa do dia de Santo Antonio, nesta terça-feira foi, de novo, notícia na TV Morena. E, novamente...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions