ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEGUNDA  13    CAMPO GRANDE 29º

Em Pauta

Empresas aprendem que valorizar funcionários é expandir lucros

Por Mário Sérgio Lorenzetto | 21/09/2013 08:20
Empresas aprendem que valorizar funcionários é expandir lucros

Em “Y”!

Sabem o que é plano de carreira bifurcado, em “Y”? Pois é! A Elektro, empresa que distribui energia para 223 municípios paulistas e outros cinco em Mato Grosso do Sul, adota esse plano moderno e inovador. A Elektro trabalha com 4 mil funcionários e 3 mil deles trabalham no campo (eletricistas e outros técnicos). A empresa desenvolve uma série de ações para valorizá-los. Os que gostam de se manter com a mão na massa podem avançar na carreira como especialistas de alto padrão. Ganham benefícios equivalentes aos de coordenadores de equipe, mas sem precisar gerir o trabalho dos outros. Na ascensão funcional, o trabalhador pode optar por ser chefe ou continuar praticando as mesmas tarefas que antes cumpriam. Plano de carreira em “Y”. Moderno, eficaz e lucrativo.

Empresas aprendem que valorizar funcionários é expandir lucros
Empresas aprendem que valorizar funcionários é expandir lucros

Caçar oportunidade é caçar ouro!

Resolva um grave problema de tua empresa e ganhe um carro. Esta é a ideia da Kimberly-Clark. Essa gigante de produtos de higiene tem 3,4 mil funcionários, sendo 2,5 mil operários. Por meio do programa Caçadores de Oportunidades, ouve empregados e o vencedor propôs a reorganização dos engradados industriais de madeira. Com a proposta, foi possível embarcar quantidade maior de carga no mesmo espaço. A economia chegou a R$ 1 milhão ao ano para a Kimberly-Clark. Já o operário, ganhou um automóvel novo. Quem disse que operário só tem força física? Basta promover que a inteligência se instalará.

Empresas aprendem que valorizar funcionários é expandir lucros
Empresas aprendem que valorizar funcionários é expandir lucros

O automóvel!

Termina amanhã o Salão do Automóvel de Frankfurt, a feira alemã mais tradicional do setor automobilístico. Além de conceitos que fazem babar até os mais contidos, as exibições deste ano demonstram que a autonomia chega com velocidade. A possibilidade no passeio de uma Mercedes Classe-S, que conduziu o presidente da Daimler, Dieter Zetsche, ao centro da feira. O detalhe estava na falta de motorista. Antes auxiliados por meio de dispositivos inteligentes, os motoristas terão mais conforto ainda. O S500 Intelligent Drive – a máquina tem nome próprio – percorreu 100 km de forma totalmente autônoma na Europa. Interessados? Muitos! E não são somente montadoras, a Nokia e Google estão de olhos arregalados para disputar o desenvolvimento das tais máquinas. Os consumidores também não vêem a hora. Pesquisa aplicada pela Bosch, a maior fornecedora automotiva do mundo, mostram aprovação do consumidor, que terá “liberdades” hoje impensáveis: ler como ler e-mails, com o carro em movimento e sem riscos.

Empresas aprendem que valorizar funcionários é expandir lucros
Empresas aprendem que valorizar funcionários é expandir lucros

Recall de absorvente...

Todos já ouviram falar em recall, que significa, neste caso: reconvocação ou chamamento. A palavrinha inglesa é bastante repetida no Brasil quando o assunto é defesa do consumidor. As reconvocações são aplicadas para corrigir defeitos em produtos e proteger o consumidor de danos e acidentes. A última foi divulgada pela Kimberly-Clark Brasil Indústria e Comércio de Produtos de Higiene e inclui o recolhimento e reembolso do produto aos consumidores que adquiriram o absorvente interno com aplicador Intimus e Intimus Evolution, nos tamanhos mini, médio e super. De acordo com o comunicado da empresa, o “aplicador do absorvente apresenta, em alguns casos, as pétalas da sua extremidade abertas, o que pode causar desconforto ou dor durante a aplicação do absorvente interno com o aplicador”. Quem adquiriu o produto com o aplicador entre janeiro de 2011 e março de 2013, deve suspender a utilização e procurar a empresa pelo telefone 0800-7095599. Há mais informações no site: www.kimberlyclark.com.br.

É direito...

Os consumidores precisam incorporar o hábito de responder aos recalls. Além de exercer o direito, é a garantia de segurança. De acordo com artigo 10 do Código de Defesa do Consumidor, “o fornecedor não poderá colocar no mercado de consumo produto ou serviço que sabe ou deveria saber apresentar alto grau de nocividade ou periculosidade à saúde ou segurança. O parágrafo primeiro diz ainda que, o “fornecedor de produtos e serviços que, posteriormente à sua introdução no mercado de consumo, tiver conhecimento da periculosidade que apresentem, deverá comunicar o fato imediatamente às autoridades competentes e aos consumidores, mediante anúncios publicitários".

De tudo um pouco!

Automóveis, motocicletas, motores, eletroeletrônicos, medicamentos. É extensa a lista de produtos que passaram ou ainda passam por recall neste ano. Entre os medicamentos está o creme vaginal Ovestrion 7,5g, do lote 28806. O recolhimento foi promovido pela Schering-Plough Indústria Farmacêutica. Houve reconvocação pela Sentinela Ind. Com. Ap. Eletrônicos Ltda. a proprietários dos eletrificadores de cerca rurais, lotes F, G, H, I e J, números 3101 a 3192, todos os modelos, a realizarem a troca dos mesmos nas lojas de origem. Também houve o recall da Kawasaki Motores do Brasil para as motocicletas modelos Ninja 300 (ABS).

Empresas aprendem que valorizar funcionários é expandir lucros
Empresas aprendem que valorizar funcionários é expandir lucros

Dinheiro não aceita desaforos...

O brasileiro cuida do dinheiro? Não! Sabe poupar? Não sabe, não! Pensa no futuro? Não, espera chegar. Tudo é verdade. E é verdade também que nem sempre é possível mudar sozinho. Para quem deseja melhorar o relacionamento com o dinheiro, cursos on-line promovidos por instituições reconhecidas são a melhor opção. Temos entre elas, a FVG (Fundação Getúlio Vargas) a primeira instituição do país a integrar o OpenCourseWare Consortium. O programa consiste em consórcio de instituições de ensino de diversos países que oferecem conteúdos e materiais didáticos pela internet. O acesso é gratuito. São cursos rápidos, de 10 a 12 horas, que levam à reflexão sobre como gastar, poupar e planejar. Entre os programas estão: orçamento familiar, planejamento de aposentadoria e investimentos. Informações no site da instituição: www.fgv.br.

Empresas aprendem que valorizar funcionários é expandir lucros
Empresas aprendem que valorizar funcionários é expandir lucros

E nem dorme!

E o FED (Federal Reserve) – banco central dos EUA – decidiu manter os estímulos de US$ 85 bilhões às empresas do país. A instituição ainda quer mais evidências de crescimento econômico sólido para iniciar a retirada. Todos felizes. Alta do índice Dow Jones e Nasdaq. Até a Índia comemorou. É ainda um rabicho da crise iniciada há cinco anos. Para entender um pouco sobre finanças, nada melhor que um bom livro, mas os filmes também ajudam. Os emblemáticos são:

- Enron, Os Mais Espertos da Sala!

- Jogador de Alto Risco

- Estados Unidos, 2013)

- Sucesso a qualquer preço

- A grande virada

- Capitalismo: Uma história de amor

- Wall Street - Poder e cobiça

- Wall Street - O Dinheiro Nunca Dorme

Vetores invertidos na economia Americana!

Quando os produtos de luxo se tornam baratos, mas a conta do supermercado não fecha, alguma coisa está errada. Esse é o atual estado das coisas na economia dos Estados Unidos. O sociólogo Joseph Cohen, após analisar dados oficiais do governo ajudou a desmistificar que os norte-americanos só gastam dinheiro com besteiras ou artigos de luxo. Entre o meio da década de 1980, até o meio da década de 2000, os americanos gastaram menos com roupas, tabaco, álcool, compra e manutenção de carros. Então para onde foi o dinheiro? Durante o mesmo período, os gastos com Habitação aumentaram 20%; 32% com Saúde – que é majoritariamente privada–, incluindo aumento de 100% no custo dos seguros de saúde – não existe algo parecido com o SUS (Sistema Único de Saúde) – e 41% em medicamentos. Houve, ainda, o impacto da Educação, que é privada, em sua maioria. No setor, os gastos foram 60% maiores. Também foi verificado aumento de 23% para compr a de combustíveis e 29% com seguro de automóveis. Em um país onde a média da dívida do cartão de crédito é de US$ 47 mil – perto de R$ 110 mil –, algo parece errado na decisão sobre o que é prioritário e no papel do governo em ajustar a economia – apesar das ações do Obama na área da Saúde.

Empresas aprendem que valorizar funcionários é expandir lucros