ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, TERÇA  18    CAMPO GRANDE 32º

Em Pauta

Fome e osso: plantar mangueiras e criar camelos

Por Mário Sérgio Lorenzetto | 04/12/2021 08:29
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Alguém já disse que ser elite, no Brasil, é o mesmo que almoçar e jantar há várias gerações. Hoje, entre nós, ao menos 20 milhões de pessoas passam fome ou comem ossos. A alienação, a falta de sensibilidade do brasileiro diante da fome é histórica. O conde D´Eu, marido da princesinha Isabel, que foi senador vitalício pelo Ceará, sem nunca ter estado no Ceará, ao integrar uma comissão de combate à fome, fez a "brilhante" sugestão de plantar mangueiras e ainda sugeriu que se importassem camelos.


Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Os condes modernos.

E, à maneira dos condes modernos, não falta quem aponte a virtude de ossos na cocção dos molhos sofisticados da gastronomia francesa, ou as reservas nutritivas dos desperdícios da cozinha, que servem às minhocas nas compostagens, mas poderiam muito bem ser aproveitadas por humanos na extrema pobreza.


Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

É o auxílio mútuo, seu insensível.

As ONGs que buscam atender os famintos dão o alerta da diminuição drástica das doações voluntárias. Não é republicano um país cujo grito em favor da civilização depende de apenas um padre, de nome Júlio. Mais do que a seleção natural, é o "auxílio mútuo" que constrói uma comunidade forte de viventes, e é dele, sobretudo, que depende a civilização, conforme Charles Darwin demonstrou em "Descent of Man" - algo como "A Descendência do Homem". Os vínculos solidários que constituem a nação se esfarelam diante de tamanha tragédia.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário