A notícia da terra a um clique de você.
 
30/08/2019 06:53

Não é só um gene gay. São muitos

Mário Sérgio Lorenzetto
Não é só um gene gay. São muitos

Uma equipe internacional de cientistas acaba de apresentar o maior estudo realizado na história sobre a possibilidade de existir uma genética gay. Estudaram a quase 500.000 pessoas, 100 vezes mais que o maior trabalho anterior. "Nossa experiência mostra que não há um único gene gay, e sim que existem muitíssimos genes que influem na probabilidade de que uma pessoa tenha companheiro do mesmo sexo", explica o geneticista Brendan Zietsch, da Universidade de Queensland, na Austrália. Mas eles também explicam que a genética só pode explicar algo como 1% dos comportamentos homossexuais. Ainda informam que parentes próximos, primos no mínimo, têm maiores probabilidades de apresentar comportamentos similares.

Não é só um gene gay. São muitos

E como explicam os outros 99%?

Usando muitas palavras, em verdade esse grupo de cientistas das melhores universidades do mundo - MIT e Harvard, entre elas - nada explicam sobre os outros 99% gays. Dizem: "Não têm porque ser nada relacionado com a educação ou com a cultura. Poderiam ser efeitos biológicos não genéticos ou o ambiente pré-natal no útero. Nosso estudo não lança luz sobre essas influências ".

Não é só um gene gay. São muitos

São 5 variantes genéticas para explicar o 1%.

Os autores do estudo, que foi publicado na prestigiosa revista científica Sciense, só identificaram 5 variantes genéticas relacionadas com o comportamento homossexual, mas com uma influência mínima. Somados seus efeitos, explicariam somente 1% dos gays. Garantem que: "É basicamente impossível predizer a atividade sexual ou orientação de uma pessoa por sua genética".

Não é só um gene gay. São muitos

As limitações do estudo.

Eles mesmo acreditam que o estudo foi bem executado. Verificaram muitas possibilidades de correlação, desde a vontade da solidão à calvície, passando pelo uso da maconha ao olfato apurado. Mas também indicam que o estudo tem limitações, a principal é "como colocar uma pessoa na etiqueta de comportamento homossexual simplesmente porque teve somente uma experiência desse tipo em sua vida".

Artigo publicado no site www.sciencemag.org

"Genética pode explicar até 25% do comportamento entre pessoas do mesmo sexo, revela análise gigante"

De Jocelyn Kaiser, 29 de Agosto de 2019 às 14:00

Pessoas que tiveram parceiros do mesmo sexo são mais propensas a ter um ou mais de certos marcadores de DNA, de acordo com a maior pesquisa já realizada por genes ligados à orientação sexual. Mesmo todos os marcadores juntos, no entanto, não podem prever se uma pessoa é gay, bissexual ou heterossexual. Em vez disso, centenas ou milhares de genes, cada um com pequenos efeitos, aparentemente influenciam o comportamento sexual.

O artigo, publicado hoje na Science , baseia-se nos resultados apresentados pela mesma equipe em uma reunião de 2018 . O estudo publicado enfatiza que os marcadores genéticos não podem ser usados ​​para prever o comportamento sexual.

Ainda assim, o trabalho está sendo aclamado como a evidência mais sólida até o momento, ligando marcadores genéticos específicos ao comportamento sexual do mesmo sexo. "Pela primeira vez, podemos dizer sem dúvida que alguns genes influenciam a propensão a ter parceiros do mesmo sexo", diz o psicólogo Michael Bailey, da Northwestern University, em Evanston, Illinois, que não participou do estudo. Os resultados vêm com advertências, no entanto, ele e outros dizem.

Estudos de famílias e gêmeos sugerem há muito tempo que o comportamento entre pessoas do mesmo sexo tem um componente genético. A partir dos anos 90, os cientistas relataram evidências tentativas de ligações genéticas à orientação sexual . Nos últimos anos, enormes conjuntos de dados com DNA de centenas de milhares de pessoas tornaram possíveis estudos muito mais poderosos.

Para explorar a genética por trás do comportamento sexual, uma equipe internacional co-liderada pelo geneticista Benjamin Neale do Broad Institute em Cambridge, Massachusetts, usou o UK Biobank, um estudo de saúde de longo prazo de 500.000 pessoas britânicas . A equipe trabalhou com cientistas do comportamento e também consultou grupos de defesa de lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e queer (LGBTQ).

A equipe de Neale examinou marcadores de DNA e dados de pesquisas sobre comportamento sexual preenchidas por quase 409.000 participantes do UK Biobank e cerca de 69.000 clientes do 23andMe, o serviço de testes ao consumidor; todos eram de ascendência européia. A pesquisa britânica do Biobank perguntou: “Você já teve relações sexuais com alguém do mesmo sexo?”; a pesquisa 23andMe apresentou uma pergunta semelhante. A equipe encontrou cinco marcadores genéticos significativamente associados à resposta sim a essas perguntas. Dois marcadores foram compartilhados por homens e mulheres, dois eram específicos para homens e um foi encontrado apenas em mulheres.

Uma das variantes genéticas estava próxima dos genes associados à calvície masculina, sugerindo um vínculo com os hormônios sexuais, como a testosterona, e outra estava em uma área rica em genes olfativos, que estavam ligados à atração sexual. Quando os pesquisadores combinaram todas as variantes que mediram em todo o genoma, estimam que a genética pode explicar entre 8% e 25% do comportamento não-heterossexual . O resto, dizem eles, é explicado por influências ambientais, que podem variar de exposição a hormônios no útero a influências sociais mais tarde na vida.

Mas os cinco marcadores de DNA encontrados explicaram menos de 1% desse comportamento, assim como outra análise que incluiu mais marcadores com efeitos menores. Assim como outras características comportamentais, como a personalidade, não existe um "gene gay" isolado, diz Andrea Ganna, membro da equipe Broad. Em vez disso, o comportamento sexual do mesmo sexo parece ser influenciado por talvez centenas ou milhares de genes, cada um com pequenos efeitos.

Como os pesquisadores relataram no ano passado, eles também descobriram que as pessoas com esses marcadores estavam mais abertas a novas experiências, mais propensas a usar maconha e com maior risco de doenças mentais, como depressão. As pessoas LGBTQ podem ser mais suscetíveis a doenças mentais por causa das pressões sociais, observam os pesquisadores.

Outros pesquisadores alertam que as descobertas são limitadas pelo fato de uma pessoa que teve uma única experiência do mesmo sexo ser considerada não-heterossexual. Ter apenas um desses encontros, por exemplo, pode refletir uma abertura a novas experiências, em vez de orientação sexual, diz Dean Hamer, geneticista aposentado do National Institutes of Health em Bethesda, Maryland. "Essas são descobertas fascinantes, mas na verdade não é um estudo sobre genes homossexuais", diz Hamer, que em 1993 relatou ter encontrado uma área no cromossomo X que era mais comum em homens gays; essa região não foi encontrada no novo estudo. "Agora estou muito menos empolgado com a possibilidade de obter boas pistas biológicas" para a orientação sexual, diz ele.

Bailey deseja que o Biobank do Reino Unido tenha perguntado aos sujeitos por qual sexo eles se sentem mais atraídos, não apenas pelo comportamento (como o 23andMe fez). "Eles não tinham uma medida particularmente boa de orientação sexual", concorda o biólogo evolucionista William Rice, da Universidade da Califórnia, em Santa Barbara, que observa que essa pergunta também capturaria pessoas gays ou bissexuais que não agiram de acordo com suas atrações. Ainda assim, ele está feliz em ver o estudo recebendo atenção. “Uma grande parte da população” não é exclusivamente heterossexual, ele observa, e “eles querem entender quem são e por que se sentem assim.”

Publicado em: BiologiaCiências Sociais

Jocelyn Kaiser, redatora da revista Science

Link: https://www.sciencemag.org/news/2019/08/genetics-may-explain-25-same-sex-behavior-giant-analysis-reveals

 

imagem transparente
Busca

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.