A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 20 de Fevereiro de 2020


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


21/01/2020 09:17

A importância dos aplicativos de renda para os mais jovens

Emanuel Steffen

Do artigo original intitulado: Os aplicativos de entrega fornecem renda para os mais jovens - e são execrados pelos "humanistas". A alternativa seria uma massa de desempregados sem nenhuma perspectiva!

Há uma verdadeira inflação de artigos e reportagens na internet sobre o número crescente de jovens ciclistas que trabalham como entregadores de aplicativos como Rappi, iFood e UberEats. A intenção é sempre a mesma: ilustrar uma suposta "precarização do emprego". Em uma rápida "googlada", você encontra as seguintes chamadas:

● O percurso desumano da comida até sua casa
● Apps são os maiores empregadores, mas precarização dá o tom nos trabalhos
● O rápido e inseguro caminho dos 'precários digitais' contra o desemprego
● Dormir na rua, pedalar 30 km e trabalhar 12 horas por dia: a rotina dos entregadores de aplicativos (esse é o título mais apelativo de todos, pois dá a entender que os empregados são mendigos e sem-teto)
● Sociologia e trabalho a partir dos entregadores ciclistas
● Entregadores de aplicativos: sem patrão e sem direitos
● Euforia com aplicativos de serviços dá lugar à frustração de trabalhadores
● Entregadores pedalam 10h por dia por "salário" de R$ 1,5 mil
● Desemprego provoca 'boom' de entregadores por apps na Capital
● 'Bikeboys' rodam 12 horas por dia e 7 dias por semana para ganhar R$ 936
● Serviços de entrega e uberização do trabalho: boicote é a solução?
● O lado sombrio do trabalho para aplicativos – e como é pior para mulheres

Alguns desses textos (e charges) chegam ao ridículo de comparar a ocupação à escravidão, o que denota, na melhor das hipóteses, absoluta falta de compreensão do conceito de escravidão. Por tudo isso, são importantes alguns contrapontos.

Aplicativos são consequência - e salvação

O desemprego entre jovens brasileiros atinge 25,7% (entre 18 e 24 anos). Apenas na capital paulista, há cerca de 30 mil entregadores de aplicativos trabalhando com bicicletas, 75% dos quais entre 18 e 27 anos de idade. Logo, o drama dos jovens não é o "trabalho precário" ou a "escravidão moderna" ocasionada pela economia do século XXI, mas sim o desemprego. E o desemprego é um fenômeno econômico, que deve ser entendido — e abordado — como tal. E, nesse sentido, se o objetivo é proteger e amparar os jovens brasileiros, e contribuir para que saiam do ócio improdutivo e resistam às tentações do crime, é crucial, acima de tudo, enaltecer e parabenizar as empresas que têm sido capazes de gerar emprego e renda para essas pessoas — mesmo porque, fornecer empregos que pagam até R$ 1,5 mil por mês (não obstante o rigor físico do trabalho) está longe de ser algo condenável. Outro aspecto que vem sendo criticado (de forma tão ampla quanto superficial) é a "informalidade" do emprego — como se trabalhar na economia chamada "informal" fosse um demérito ao trabalhador. Mas a pergunta que não é feita é: por que esse mesmo trabalhador não consegue uma vaga no mercado "formal"?

Parte da resposta está associada ao alto custo da formalidade laboral no Brasil. Os encargos sociais e trabalhistas são as principais barreiras. Por exemplo, se você contratar um trabalhador por R$ 1.500 (valor que, como visto, alguns entregadores de aplicativo recebem por mês), e não pagar nada de vale-transporte, vale-refeição, plano de saúde, e outros benefícios, você gastará ao todo praticamente R$ 2.300 por mês (INSS, FGTS, provisão do 13º, férias etc.) — ou seja, seu gasto será mais de 50% maior que o salário.
(Em algumas ocasiões, um empregado pode custar muito mais do que o dobro do salário. O corriqueiro é que ele custe, no mínimo, o dobro do salário.) A reforma trabalhista de 2017 trouxe algumas mudanças, mas ainda temos uma das legislações trabalhistas e sindicais mais engessadas e ultrapassadas do mundo. Estamos condenando jovens ao desemprego pelas regras complexas da CLT e o alto custo da contratação para o empregador. O governo até tenta endereçar este problema com o Programa Verde Amarelo. Por meio de medida provisória, o Ministério da Economia concedeu redução de obrigações e impostos (de 30 a 34%) para empresas que contratarem, até 2022, jovens entre 18 e 29 anos em início de carreira. Estima-se que esse tipo de contratação pode chegar a 270 mil.

O problema é que isto significa uma perda de arrecadação estimada de R$10 bilhões em cinco anos, que precisa ser compensada. Uma das propostas foi taxar o seguro-desemprego (sendo que essa taxação contaria como contribuição para o tempo de aposentadoria pelo INSS). Mas tal proposta já foi rechaçada. Isso mostra que o problema existe e não é de fácil solução. Mas é urgente desmontar este aparato pesado criado em cima da formalização do trabalho de maneira mais ampla e permanente. Para que mudanças mais duradouras sejam possíveis é crucial proceder a uma diminuição do tamanho do estado por meio do ajuste na despesa.

A qualidade da mão-de-obra

Mas tudo piora. Dados do Ministério da Educação demonstram que 7 de cada 10 alunos do ensino médio têm nível insuficiente em português e matemática. Ou seja, estão chegando ao mercado de trabalho milhões de jovens com sérias dificuldades de interpretar e escrever textos, bem como de fazer uma simples regra de três. E aí tem-se uma combinação explosiva: jovens chegam mal preparados ao mercado de trabalho (ou seja, com baixa produtividade), e ainda têm de superar o obstáculo criado pelas regras engessadas e burocráticas para que possam ofertar sua mão-de-obra. Quem irá contratar legalmente — isto é, a um alto custo — jovens inexperientes e com baixa produtividade? Isso é teoria econômica básica. Só é possível pagar altos salários a quem produz muito com pouco, isto é, quem gera muita receita (e lucros) para seu empregador. Se um jovem sem instrução e sem habilidades possui uma produtividade capaz de gerar apenas R$ 1.500 por mês a um eventual empregador, não tem como esse empregador lhe contratar formalmente a um custo total de R$ 2.300. Nada é mais responsável pela "degradação do mercado de trabalho" do que um ordenamento jurídico que condiciona o status de "formal" ao cumprimento de regras onerosas tanto ao trabalhador quanto ao empregador.

Outros obstáculos

Os encargos sociais e trabalhistas são apenas uma parte dos obstáculos. Vale mencionar o outro lado do pesadelo empreendedorial, que são os outros impostos que incidem sobre as empresas e que afetam sobremaneira sua capacidade de investir, de contratar e de aumentar salários. No Brasil, a alíquota máxima do IRPJ é de 15%, mas há uma sobretaxa de 10% sobre o lucro que ultrapassa determinado valor. Adicionalmente, há também a CSLL (Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido), cuja alíquota pode chegar a 32%, o PIS, cuja alíquota chega a 1,65% e a COFINS, cuja alíquota chega a 7,6%. PIS e COFINS incidem sobre a receita bruta. Há também o ICMS, que varia de estado para estado, mas cuja média nacional beira os 20%, e o ISS municipal. Quem vai encarar? Quando você considera o paternalismo, a ausência de liberdade nas relações trabalhistas, a carga tributária elevadíssima (não nos esqueçamos também que o entregador ciclista paga cerca de 70% em impostos para comprar sua bicicleta), o ambiente hostil a investimentos, e a ausência de um ambiente que incentive o empreendedorismo, você entende que não há mistério nenhum no fato de a produtividade brasileira estar estagnada.

Para concluir

Por tudo isso, sim, as empresas de aplicativo são uma grande benesse para a economia. Mas eis o mais importante: se há algo que milhares de garotos que pedalam fazendo entregas podem ilustrar é o espírito honesto, trabalhador e empreendedor do brasileiro que "não descansa". Será que nossos jovens estão despreparados para o mercado formal? Ou será que é o mercado formal é que está despreparado para os nossos jovens? Nenhum país progride sem respeito ao trabalho. Tampouco progride condenando quem gera oportunidades e quem se propõe a encarar as adversidades e virar o jogo a seu favor, aprendendo pela experiência valores que a educação de fato não lhe deu.

Os jovens agradecem.

Disclaimer: Autor: Douglas Sandri e Ricardo Birmann https://mises.org.br/. A informação contida nos artigos e em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN (Sistema Financeiro Nacional) o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

Campo Grande News - Lista Vip WhatsApp
5 erros que as pessoas cometem ao serem demitidas
Todos seremos demitidos em algum ponto de nossas vidas. Saiba transformar isso em algo bom. Eis o primeiro fato crucial a ser entendido: o trabalho a...
O Coringa e a ideologia da destruição
Quando o indivíduo atribui seu fracasso pessoal ao fato de o mundo não ser como ele deseja. "É apenas um filme sobre um homem se afundando na loucura...
Empresas antiéticas só prosperam sob proteção
Governo e grandes empresas: melhores amigos. Em seu livro "O Caminho da Servidão", escrito ainda em 1944, Friedrich Hayek explicou que, quanto maiore...
Quais as condições básicas para a inovação tecnológica?
A internet, com todas as tecnologias a ela ligadas, revolucionou a relação das nossas mentes com a realidade, possibilitando interagirmos com os conc...


Atualmente nenhuma empresa pode ficar sem o auxilio da informática, é através dela que praticamente tudo é resolvido.

O mundo está tão informatizado que nenhum argumento seria tão forte a ponto de desaconselhá-lo.

Com a evolução das técnicas e conceitos de administração, sempre pensando melhorar o desempenho e reduzir os custos.

A necessidade é cada vez maior de profissionais capacitados para os novos serviços e necessidades que surgem.

Pensando nisso a Easycomp Mangueira, através da INFORMÁTICA e dos cursos profissionalizantes, prepara o aluno para o mercado de trabalho.

Cadastre-se e e receba gratuitamente vídeos aulas em seu e-mail.

https://easycompmangueira.com.br/curso-online-de-empregabilidade/

 
Iara Dantas em 22/01/2020 14:12:26
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions