ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUARTA  20    CAMPO GRANDE 23º

Manoel Afonso

"Papos políticos & Papuda"

Por Francisco Júnior | 29/11/2013 12:51

CONTRADIÇÃO: O eleitor brasileiro costuma dar cartão vermelho aos maus políticos, mas isso não tem acabado com as mazelas. Velhas deficiências/vícios dos parlamentares reprovados sobrevivem no Congresso, Assembleias e Câmaras Municipais.

CONCLUSÃO: Afastar o mau político não é o xis da questão. A sociedade, pelo visto, não consegue deletar a cultura dos desvios éticos, da inoperância e incompetência. No fundo, essas renovações são imaginárias, relativas; troca-se 6 por meia dúzia.

EXEMPLOS: Podem ser aferidos na câmara da cidade do leitor e na atual Assembleia Legislativa que elegeu 10 novos deputados em 2010. Numa análise sem paixão poderia dizer se o nível delas melhorou, estagnou ou piorou? Não vale mentir.

SEGREDOS: Apesar do índice de renovação os parlamentos mantém espertamente a pratica do corporativismo; legislações e regimentos internos beneficiam os titulares do mandato longe dos olhos e do conhecimento da maioria dos eleitores.

DELÍRIOS: Abolir direito às famosas diárias por representação, ganho por sessões extraordinárias, nomeação de assessores, auxílios diversos e maior rigor nos gastos e aposentadorias parlamentares ainda passa longe das prioridades.

COMPARANDO: Ficou famoso o vídeo na internet onde deputados federais suecos compartilham ‘apê’ oficial de 40², dormindo em sofá cama, cozinhando e lavando as próprias roupas sem direito a empregadas, num ambiente bem simples.

EXEMPLOS: como esse são emblemáticos, orgulham o povo, servem de espelho às futuras gerações. Aliás, não seria muito difícil prever a diferença de opiniões dos jovens suecos e brasileiros sobre seus respectivos representantes políticos.

SEM PUDOR! Aqui, também os estreantes aderem rápido aos mecanismos para levar vantagens nos parlamentos. Se escoram em leis ‘ao nosso jeitinho’; imorais, anti-éticas, como por exemplo essa tentativa de mais uma aposentadoria de Genoíno.

O MODELO: A Constituição não alterou a postura da classe política, muito menos a chegada do PT ao poder. Aliás, contrariando o sedutor discurso moralista de mudanças, implementou praticas ainda mais nocivas com a partidarização do Governo.

ESPERANÇAS? Sem ilusões! A profissionalização da política agrega fatores que convergem em vantagens. O aumento das vagas ( câmaras) e siglas ampliou o balcão de negócios, inclusive com a turma dos evangélicos. “Amém Jizuis”.

A PROPÓSITO: O Congresso acaba de manter sob sigilo a indicação de autoridades e abre a porta para a eleição secreta das mesas diretoras das duas Casas de Leis. Aquelas mudanças essenciais, sepultando velhas anomalias ainda não aconteceram.

DOIS EXEMPLOS: Pelo voto secreto Renan é presidente e o pleito incluiu barganhas corporativistas. No outro caso, o mandato de Natan Donadon, preso na Papuda, chegou a ter o mandato intacto. Ilegalidade jamais vista em regimes democráticos.

NOVIDADES: O procurador federal Pedro Taques chegou ao Senado no MT. A ministra Eliana Calmon tentaria o Senado na Bahia, o Juiz Odilon disputaria a Câmara e Joaquim Barboza tentaria a presidência. Candidaturas em construção.

MARQUETING? É com um pé atrás que a opinião pública de MS recebe a notícia de que a União irá resolver os conflitos indígenas. Cá entre nós: só com gogó e promessas não se faz negócios. O Palácio do Planalto perdeu toda a sua credibilidade.

ABSURDEZ: Como um país que ocupa o sexto lugar dentre as maiores economias do mundo não resolve esse problema tão grave? Optou-se por investimentos caríssimos da infraestrutura da Copa e Olimpíadas pensando apenas no retorno eleitoral.

FALÁCIA: Se Zé Dirceu não cumpriu ainda um sexto da pena, 15 meses no caso, não há que se falar em direito a trabalhar fora da prisão. A ação petista visa passar a imagem dele como ‘injustiçado’, além de se tentar desgastar o ministro Joaquim Barbosa.

GENOINO: Protagonizou cenas hilárias ao encarnar o espírito de herói infantil saindo de casa para a prisão com capa de toalha nas costas. Atraiu a ira da opinião pública e escancarou a pratica de se privilegiar os ricos e ferrar os pobres na prisão.

RECADO: O Judiciário fez sua parte. É página virada! O país continua andando. Que Zé Dirceu se amolde no uniforme da Papuda, ajude os companheiros a limpar a cela e trate o carcereiro sem a arrogância habitual. O resto é puro nhenhenhém!

EQUÍVOCO: Para Marcio Monteiro, Azambuja é mais preparado para o Senado do que Simone. Mas se a avaliação inflou o currículo do deputado, ignorou: ela é professora universitária, ex-deputada, ex-prefeita e atual vice governadora.

E MAIS... Não se leva em conta as pesquisas ocasionais para aferir o preparo deste ou daquele candidato. Densidade eleitoral não se confunde com currículo. Nós já tivemos casos para o Senado no MS onde infelizmente nem sempre o melhor venceu.

CANDIDATURAS: Felipe Orro, Takimoto e Beto Pereira compõe o trio com chances de se eleger em 2014. Cada qual com seus redutos e estilos de fazer política, que vão se apresentando ao eleitorado. Como se diz: é pra frente que se anda.

CAPITAl: Dois registros: A hipótese cada vez mais remota da rua 14 de julho e a Av. Afonso Pena ganharem iluminação natalina; e os primeiros sinais de que o prefeito pode descer do palanque da soberba e finalmente dialogar com a Câmara.

“Convenhamos, de carregar malas, o Zé Dirceu entende”. (opinião na internet)

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário