ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 24º

Rede de apoio

Ser pai ou ter pai, eis a questão; a essência da paternidade

Por Lia Rodrigues Alcaraz (*) | 09/04/2024 16:36

O que é ter pai nos dias de hoje, e como é ser criado por um, para muitas pessoas pode ser uma relação extremamente tranquila e saudável, mas para outras pessoas a toxidade ocorre pelo simples fato de o outro existir na mesma cidade.

Estamos em uma sociedade em constante transformação, o papel e a presença do pai têm sido objeto de reflexões profundas. A dicotomia entre "ser pai" e "ter pai" revela camadas complexas de significado que vão além da simples biologia ou da mera presença física. Ser pai transcende a mera concepção e se estende ao compromisso, ao amor e à dedicação incondicional.

A ideia de "ser pai" evoca a imagem do homem que se dedica integralmente ao cuidado e ao desenvolvimento do seu filho, é aquele que não apenas contribui para a criação material, mas que também se empenha emocionalmente, participando ativamente da vida da criança, compartilhando experiências, orientando e educando, tarefas que não são rápidas e nem fáceis.

Ser pai implica em estar presente não apenas nos momentos de alegria, mas também nos desafios e dificuldades que a vida apresenta, é ser um exemplo de retidão, e não só apenas de amor incondicional, mas de apoio constante como também de cultivar um vínculo de confiança e respeito mútuo, construindo uma relação sólida que perdurará ao longo dos anos.

No entanto, nem todos os homens que geram filhos assumem verdadeiramente o papel de pais, aqui entra a distinção entre "ser pai" e "ter pai". Ter pai diz respeito à presença física, à figura biológica que pode ou não estar presente na vida da criança, mas essa presença meramente física não garante a verdadeira paternidade. Os “pais de Instagram” são aqueles que tiram fotos ou revivem fotos antigas, mas mal consegue saber qual a comida favorita do filho, ou o desenho que mais gosta, pois além de não ter interesse, não gera interesse na criança.

É fundamental compreender que ser pai vai além da simples relação biológica. Envolve um compromisso emocional, mental e espiritual com o desenvolvimento e o bem-estar do filho. É uma jornada de aprendizado constante, e principalmente de renúncias, desafios, abdicar de questões particulares e dar preferência, mesmo quando não se é o proferido.

Em uma época em que os papéis de gênero estão em constante redefinição, é essencial reconhecer e valorizar a importância do pai como figura de referência na vida de uma criança. Seja ele o pai biológico ou não, o que realmente importa é o seu compromisso e dedicação em "ser pai" de verdade.

Portanto, a questão não reside apenas em "ter pai", mas sim em ser capaz de desempenhar o papel de pai com todo o amor, responsabilidade e dedicação que essa função demanda. É nesse compromisso genuíno que reside a verdadeira essência da paternidade.

(*) Lia Rodrigues Alcaraz é psicóloga formada pela UCDB (2011), especialista em orientação analítica (2015) e neuropsicóloga em formação (2024). Trabalha como psicóloga clínica na Cassems e em consultório.

Nos siga no Google Notícias