ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SÁBADO  20    CAMPO GRANDE 22º

Direto das Ruas

Antes de ficar cega, mulher implora por consulta e transplante

Com os dois olhos comprometidos, Kelly Dantas quer recuperar autonomia

Por Clara Farias | 11/01/2024 13:25
Olho da dona de casa Kelly Dantas (Foto: Direto das Ruas)
Olho da dona de casa Kelly Dantas (Foto: Direto das Ruas)

Há sete meses aguardando por transplante de córneas, a dona de casa Kelly Dantas, de 44 anos, tem dois olhos comprometidos pelo glaucoma e catarata. A mulher implora para ser prioridade no agendamento de consulta na fila da Santa Casa de Campo Grande.

A filha, Thalita Dantas Francisco, entrou em contato com o Campo Grande News pelo canal Direto das Ruas, para contar a história da mãe, que perdeu a visão de um dos olhos já aos 20 anos.

Correndo o risco de ficar completamente cega, a dona de casa faz o tratamento para o glaucoma desde os anos 2000, quando descobriu que a doença havia atingido o olho esquerdo. Anos depois, com a visão somente do olho direito, Kelly descobriu que os remédios não estavam fazendo efeito e que podia comprometer o olho direito. Em junho de 2023, a dona de casa passou por cirurgia, que segundo a família não cicatrizou de forma adequada e desde então, aguarda por transplante de córnea.

"O olho começou a inflamar, trataram essa inflamação mas sequelou a córnea porque a inflamação foi muito forte, criando uma catarata. Então o médico nos avisou que ela precisaria entrar na fila de transplante do SUS (Sistema Único de Saúde)", explicou a filha, Thalita Dantas.

Depois do fracasso do procedimento, Kelly bateu em uma quina de parede e teve o olho direito dilacerado. "Tratamos esse machucado e mesmo assim apareceu uma úlcera na córnea do olho dela. Começamos a tratar a úlcera e os médicos nos informaram que ela precisa urgente do transplante de córnea e então estamos aguardando", relata Thalita.

Segundo a filha, além da mobilidade e autonomia ser afetada pela falta de visão, Kelly está sofrendo de ansiedade com o medo de perder a visão completamente, caso ocorra um descolamento de retina. Thalita explica que a mãe é atendida pela Santa Casa, pois foi onde realizou a primeira cirurgia e reclama que há alguns meses não consegue marcar nem sequer consulta.

"Eles disseram que ela só poderia ser atendida por encaixe. Os médicos falaram que agora o caso seria considerado com urgência, mas eles não fazem a cirurgia. Só nos enrolam", garante Thalita. Segundo ela, a mãe ocupa a 241ª posição, o que deve ser respeitado por conta de lei.

A assessoria de imprensa da Santa Casa da Capital orientou a família à procurar o SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) do hospital.

Fila de transplante - De acordo com a SES (Secretaria de Estado de Saúde), até 11 de janeiro, havia 349 pessoas na fila de transplante de córnea em Mato Grosso do Sul.

(*) Matéria editada às 11h40 de sexta-feira (12) para correção de informação.

Direto das ruas - A imagem chegou pelo Direto das Ruas, o canal de interação dos leitores com o Campo Grande News. Quem tiver flagrantes, sugestões, notícias, áudios, fotos e vídeos pode colaborar no WhatsApp pelo número (67) 99669-9563.

 Clique aqui e envie agora uma sugestão.

Para que sua imagem tenha mais qualidade, orientamos que fotos e vídeos sejam feitos com o celular na posição horizontal. Receba as principais notícias pelo celular.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias