ACOMPANHE-NOS    
MAIO, SEGUNDA  17    CAMPO GRANDE 30º

Direto das Ruas

Sarah ficou sem o colo dos avós, levados pela covid com diferença de 2 dias

A menina é autista e vivia no colo de um dos dois

Por Mariely Barros | 12/04/2021 14:36
Sarah almoçando no colo da avó Tânia Mara (Foto: Arquivo Pessoal)
Sarah almoçando no colo da avó Tânia Mara (Foto: Arquivo Pessoal)

Ao olhar a foto dos avós no celular da mãe, a pequena Sarah parece querer entrar na tela.  “Ela beija e abraça o celular”, conta a mãe.

Adeguevaldo Gomes, avô da menina, era renal crônico e tratava a doença há mais de 25 anos, chegou a ficar internado cinco dias, lutando contra a covid-19, mas não resistiu. A esposa Tânia Mara Vieira, morreu dois dias depois também com complicações da doença.

Sarah, diagnosticada com TEA (Transtorno do Espectro do Autismo) aos três anos, enfrenta o luto pela perda dos avós, vitimas da covid-19. A menina chegou a morar com o casal durante três anos. Era muito apegada aos dois, que faleceram no final do mês passado

Depois do luto, vem a dor diária, na tentativa de poupar a menina da perda. Para levar a filha ao médico, por exemplo, o padrasto tem de desviar a rota, para que Sarah não reconheça o caminho da casa dos avós, próximo ao Cem (Centro de Especializações Médicas).

“A  primeira vez que passamos com ela lá perto, depois do acontecido, ela ficou muito feliz achando que íamos deixar ela na casa deles”, lembra. Depois de ver que o destino era outro, a criança ficou angustiada. "Ela sofre com a saudade", resume a mãe,  Krylsynara do Carmo, de 30 anos.

Na tragédia da covid, a doença todos os dias leva um pouco de quem ficou. No caso de Sarah, a percepção é diária. “Ela falou por um ano e meio, mas parou de falar depois que minha mãe morreu. Agora, também já emagreceu muito nesse um mês sem contato com os avós”, cita.

Desde que perdeu a mãe, a sogra era quem auxiliava Krylsynara, “Ela era como uma mãe pra mim, ela sempre me apoiava e me dava forças para cuidar da Sarah”, lembra emocionada.

Nos últimos dias de sofrimento com a doença, dona Tânia deixou um recado para Krylsynara no Facebook . “Quero te dizer que Deus escolheu você para cuidar do anjo dele, que é a Sarah, você sabe, o que estiver ao meu alcance conte comigo, enquanto eu tiver forças não me deixe sem ver ela, meus netos são tudo pra mim”, escreveu.

Direto das Ruas - A história de Sarah e o amor pelos avós chegou ao Campo Grande News por meio do canal Direto das Ruas, meio de interação do leitor com a redação. Quem tiver flagrantes, sugestões, notícias, áudios, fotos e vídeos pode colaborar no WhatsApp pelo número (67) 99669-9563.

Clique aqui e envie agora uma sugestão.

Para que sua imagem tenha mais qualidade, orientamos que fotos e vídeos devem ser feitos com o celular na posição horizontal.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário