A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

28/09/2011 06:01

Dogueiros, moradores e democracia

Por Alex do PT (*)

Com o início das obras da revitalização da Afonso Pena e o fim do estacionamento de 45 graus na avenida - uma boa medida, é oportuno frisar -, torna-se inevitável a saída dos dogueiros desse espaço, pois, já não há mais condições adequadas de promover o atendimento à altura ao seus clientes.

Os trailers instalados ao longo da avenida, simbolizam uma tradição em nossa capital, amplamente utilizados e apreciados pela população, além de gerar renda e empregos a centenas de famílias.

O que não pode ser feito, nem admitido, é simplesmente retira-los da avenida e em seguida sair por aí garimpando um lugar para remanejá-los, tentando forçar a transferência para espaços inadequados, como ocorreu na vã tentativa de utilizar o Horto Florestal e, agora, a Praça Aquidauana.

O Horto é o marco zero de Campo Grande. Foi ali que há cerca de 130 anos Jose Antonio Pereira e seguidores aportaram para fornecer os primeiros sopros de vida da cidade.

A Praça Aquidauana não tem suporte, não tem espaço físico suficiente e nem o perfil ajustado para tal atividade comercial. Por seu adensamento urbano - constituído na maioria por pessoas de terceira idade - receber 22 dogueiros em carrinhos perfilados, significa a mesma coisa que tentar colocar o Maracanã dentro do estádio das Moreninhas.

Nas duas tentativas da Prefeitura não houve consultas aos moradores e nem sequer ao Conselho Municipal de Meio Ambiente.

O EIV (Estudo de Impacto de Vizinhança) presente nos artigos 36 a 38 da lei 10.257/2001(Estatuto das Cidades) não foram realizados. O Estudo de Impacto Ambiental também não foi apresentado.

A Prefeitura, de forma unilateral, sem consultar ninguém, colocou o seu arsenal e seu poderio para iniciar essa operação, desrespeitando a história, ignorando moradores e retirando equipamentos de uso da comunidade, tais como a pista de bicicross no Horto e o parquinho das crianças, na Aquidauana.

Nesta praça, árvores da espécie sibiperuna foram cortadas no talo e outras podadas de maneira irregular, alem da transformação do alojamento da Policia Militar em banheiro.

Com o interesse de colaborar com a gestão municipal, participo ativamente da resolução desses conflitos, pois entendo que na condição de parlamentar sou co-autor de todos os atos emanados pelo Poder Executivo. Não me omiti. Assumi a postura e o desafio de buscar soluções e ajudar a reverter a situação, propondo outras alternativas e, acima de tudo, defendendo a existência do diálogo.

Graças à atuação determinante de diversos segmentos sociais - ambientalistas, urbanistas, arquitetos, advogados e historiadores - demovemos do poder publico a idéia da fixação dos dogueiros no Horto e defendemos os moradores da Praça Aquidauana.

Sensibilizados, o secretário de Meio Ambiente, Marco Cristaldo, o prefeito Nelson Trad Filho e o presidente da Câmara Municipal, Dr. Paulo Siuffi, receberam a Comissão de Moradores da Praça Aquidauana, tenho a certeza de que os argumentos expostos por esses cidadãos surtiram efeitos positivos.

Que os trabalhadores dos lanches tenham condições de continuar - de forma digna, honrada e sustentável a exercer seu trabalho e manter uma tradição na nossa cidade. É possivel encontrar um local e acomoda-los, que ao invés de gerar conflitos e impasses, possa com suas presenças ser revitalizado e modernizado.

Democracia dá trabalho. Ouvir opiniões divergentes pode até ser cansativo. Porém, sem dúvida alguma é o remédio mais eficiente e adequado para buscar e encontrar, sempre, o melhor caminho.

(*) Marcos Alex Azevedo de Mello (Alex do PT) é líder do PT na Câmara de Vereadores de Campo Grande, onde excerce a presidência da Comissão de Segurança Publica e é membro da Comissão dos Direitos Humanos e Cidadania.

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions