A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

17/12/2013 10:38

André aprova valor de pedágio e quer parceria com vencedora de leilão

Aline dos Santos e Leonardo Rocha
Puccinelli queria pedágio abaixo de R$ 4,60 na BR-163. (Foto: Cleber Géllio)Puccinelli queria pedágio abaixo de R$ 4,60 na BR-163. (Foto: Cleber Géllio)

O governador André Puccinelli (PMDB) aprovou o deságio no leilão da BR-163 e vai procurar a vencedora em busca de parceria. O objetivo da futura PPP (Parceria Público-Privada) é levar logística e tecnologia da obra para as rodovias estaduais.

Nesta terça-feira, Puccinelli lembrou que o pedido para duplicar a BR-163, apelidada de Rodovia da Morte, vem desde a gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “E sempre, no planejamento do governo estadual, gostaríamos que o pedágio não ultrapassasse R$ 4,60 a cada 100 km”, disse. Hoje, o governador participa de evento na Assembleia Legislativa.

O leilão, realizado na Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo,) foi vencido pela CCR (Companhia de Participações em Concessões). A empresa fez a melhor proposta: deságio de 52,74%. Desta forma, o teto do valor do pedágio caiu de R$ 9,27 para R$ 4,38 a cada 100 quilômetros. A companhia vai administrar 847,2 km, entre Mundo Novo e Sonora. Serão nove postos de pedágios.

O governador chegou a ir a São Paulo para “estimular” a participação da Odebrecht Transport no leilão. A empresa vai explorar a rodovia 163 no Mato Grosso. Mas, para Mato Grosso do Sul, o grupo ofereceu a segunda proposta mais cara, com pedágio de R$ 8,48.

No leilão de hoje, o segundo maior deságio foi oferecido pelo Consórcio Rota do Futuro, que propôs pedágio de R$ 5,17. A CCR, que deve assinar o contrato com a ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre) em março de 2014, é responsável por 2.437 quilômetros de rodovias, distribuídos por São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná.

Conforme a empresa, esse número representa 15% da quilometragem total das rodovias concedidas à iniciativa privada no País. Dentre as concessões, está a rodovia Presidente Dutra, que tem mais de 400 quilômetros de extensão e liga as duas regiões metropolitanas mais importantes do País: São Paulo e Rio de Janeiro.

 



UÉ, mas não entendi, quer dizer que o nosso estado precisa aprender a fazer rodovias? ainda com firmas particulares?se fosse com empresas que constroem o melhor asfalto do mundo que estão não Alemanha,agora com firmas brasileirras,qual a vantagem?
 
antonio costa em 17/12/2013 15:19:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions