A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

31/01/2014 19:52

Carne aumenta até 19,9% e triplica movimento em dias de promoções

Lidiane Kober e Filipe Prado
Deolinda não se incomoda de ficar na fila para comprar carne mais barata (Foto: Marcos Ermínio) Deolinda não se incomoda de ficar na fila para comprar carne mais barata (Foto: Marcos Ermínio)

Em um ano, o preço da carne bovina aumentou até 19,92% em Campo Grande e os consumidores passaram a lotar supermercados em dias de promoções. Em alguns estabelecimentos, o movimento chega a triplicar nas datas de carne mais barata.

“A maioria dos clientes vem na sexta da carne para comprar e o nosso atendimento triplica neste dia. É fila toda a hora”, disse a Elaine Oliveira, gerente do supermercado Pires, da Avenida Júlio de Castilho.

É o caso da aposentada, Deolinda Ferreira, 65 anos. Ela percebeu o aumento e compra o alimento para a semana toda só nos dias de promoção. Hoje, por exemplo, estava na fila à espera do atendimento no açougue do supermercado Pires.

Autônomo, Luiz Izabel da Silva, 52 anos, também sentiu no bolso o reajuste. “Então aproveito as promoções”, comentou. Humberto Lacerda Junior, 32, é outro que percebeu a elevação de preço. Para minimizar os efeitos, ele sempre coloca o frango no meio da compra. “Está mais em conta do que a carne de boi”, explicou.

No Açougue Butique da Carne NP, o movimento também aumenta em dias de promoções e no final de semana. “O fluxo é maior nos finais de semana, pois é quando o pessoal faz churrasco. Mas, quem compra nestes dias, tem uma situação financeira melhor. Quem não tem dinheiro compra carne mais barata ou compra na promoção”, analisou o gerente Rubens Pinheiro, 64 anos.

Dados – De acordo com levantamento do IPC/CG (Instituto de Preços ao Consumidor de Campo Grande), coordenado pela Universidade Anhanguera/Uniderp, o corte que apresentou maior elevação, de janeiro de 2013 a janeiro de 2014, foi o lagarto. Em média, o quilo custava R$ 14,21 e, agora, vale R$ 17,04, aumento de 19,92%.

O pedaço de peito apresentou reajuste de 18,33%, saindo de R$ 9,93 para R$ 11,75. O quilo da costela ripa, custava R$ 6,59, no início do ano passado, e, agora, R$ 7,50, aumento de 13,81%. O preço do patinho elevou 12,04%, de R$ 14,87 para R$ 16,66, enquanto o quilo do músculo passou de R$ 9,63 para R$ 10,61.

A alcatra apresentou aumento de 9,99%, de R$ 17,91 para R$ 19,70, e o pedaço de contra-filé, de R$ 18,61 para R$ 20,09. Por outro lado, o valor do quilo de fígado caiu 10,41%, de R$ 7,88 para R$ 7,06. Apreciada por muitos, a picanha apresentou reajuste de 1,42%. Em média, o corte custa R$ 27,93 na Capital.

Fonte: Anhanguera/UniderpFonte: Anhanguera/Uniderp
Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...
Consumidor terá 30 dias para contratar serviço de esgoto antes de ser multado
Será apresentado às 9h de segunda-feira (18) um termo de parceria entre o Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions