A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

29/01/2009 13:48

Crise: indústrias de MS propõem redução de jornada

Redação

Sindicatos laborais de Mato Grosso do Sul já começam a receber propostas de redução de jornada e salários. O argumento do setor industrial é que a crise econômica mundial implica na necessidade de enxugar os custos.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Alimentação de Campo Grande e Região, Rinaldo de Souza Salomão, afirma que recebeu proposta da Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul) para redução da jornada de trabalho e dos salários em 25%.

Outro pedido feito pelo setor industrial, para atravessar o momento de crise, é de prazo de 12 meses para utilização das horas dos bancos de horas e prorrogação da convenção coletiva por seis meses, mantendo as cláusulas atuais e sem reajuste de salário, respeitando o piso do salário mínimo. A redução de salário em 25%, proposta pelas indústrias, leva em conta que ninguém poderá receber abaixo do mínimo.

Rinaldo Salomão disse que será convocada uma assembléia para discutir o assunto. "Não tomaremos nenhuma decisão precipitadamente. O assunto é delicado e precisamos avaliar bem que rumo iremos tomar", comentou.

O sindicalista disse que vai solicitar mais informação sobre a crise para "evitar que alguns segmentos que não estão atravessando dificuldades, acabem procurando tirar proveito desse quadro econômico que se instalou no Brasil e no mundo". Ele afirma que é preciso saber a real situação dos diversos segmentos da indústria de alimentação de Mato Grosso do Sul.

Segundo o sindicato, as reivindicações da Fiems estão previstas na Lei. A redução de jornada e de trabalho, por exemplo, de acordo com a Lei 4923 de 23 de dezembro de 1965, em seu artigo 2º, a redução em até 25% é possível em situações em que a conjuntura econômica obrigue, em caráter transitório.

Em Corumbá, o sindicato laboral aceitou a proposta da Vale do Rio Doce, que propôs uma licença remunerada para não demitir.

Neste caso o pagamento fica reduzido a 50% do salário-base, sendo assegurado o mínimo de R$ 856,00. Benefícios como assistência médica, cartão alimentação e creche ficam assegurados.

No ano passado centenas de trabalhadores do setor perderam os empregos entre os frigoríficos Campo Oeste, em Campo Grande, Estrela do Norte, em Ribas do Rio Pardo e do Diplomata, também na Capital.

Procon da Capital abre campanha para orientar comércio e consumidor no Natal
O Procon (Subsecretaria de Proteção e Defesa do Consumidor) de Campo Grande dá início nesta segunda-feira (18) a uma semana de orientação e atendimen...
Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions