A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

30/10/2012 18:53

Economista orienta: se tem dívida, use 13º para quitar; se não, poupe 40%

Helton Verão

O fim do ano se aproxima e com ele talvez algo mais esperado que as festas de natal e Ano Novo, o 13º salário. E muitos consumidores não sabem o que fazer com o dinheiro, se compram mais presentes ou se endividam mais deixando de lado as contas já existentes.

Mas a melhor opção é quitar as dívidas, como recomenda o economista Marcus Eduardo de Oliveira, professor de economia da FAC-FITO e do UNIFIEO, em São Paulo.

A preferência, explica, deve ser das tem juros maiores, como o cartão de crédito e cheque especial, que são indiscutivelmente, os maiores vilões.

“É fundamental fazer aquela “faxina financeira”. Se não for possível quitar todas as dívidas, deve-se, preferencialmente, escolher então aquelas em que a “bola de neve” dos juros encobre, num curto espaço de tempo, o montante principal. Eliminar esse tipo de dívida (com cartão, com cheque especial) é imprescindível para a recuperação da “saúde financeira”” recomenda o economista.

Se você não está endividado, a sugestão então é poupar entre 30% a 40% do 13° salário para fazer frente ao mês de janeiro, período em que as contas como do IPVA, IPTU, uniforme e material escolar baterão à porta.

Outro importante sinal é receber as duas parcelas do 13° salário para a quitação das dívidas, evitando-se, assim, na pressa, recorrer a empresas que oferecem financiamento de dívidas.

“Sem exceção, todas essas empresas cobram juros acima do normal. Quem opta pela ajuda dessas empresas, quando menos se dá conta, eis que a armadilha dos juros se abre à frente. Para evitar essa situação a única receita – infalível, por sinal, é nunca gastar mais do que se ganha”, ressalta Oliveira.

Mais recomendações: Ter apenas um cartão de crédito e não ter limite de cheque especial acima dos valores recebidos em termos de salários e outros ganhos são essenciais para um bom relacionamento com suas condições financeiras.

“Na hora de sair às compras, é bom ter em mente que janeiro e fevereiro, ainda que os apelos insistentes do comércio os façam parecer distantes, eles vão chegar. Portanto, é bom fugir das “ofertas” tentadoras do famoso “compre agora e pague somente em fevereiro”. Por fim, é necessário lembrar que o consumo consome o consumidor. Portanto, moderação!” finalizou.

Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...
Consumidor terá 30 dias para contratar serviço de esgoto antes de ser multado
Será apresentado às 9h de segunda-feira (18) um termo de parceria entre o Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions