A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Maio de 2018

16/02/2011 09:15

Empresária tenta há 5 anos reverter prejuízos depois de fim de franquia

Viviane Oliveira

Neli foi franqueada do Boticário durante 24 anos em Campo Grande

A empresária Neli Tacla Saad vive um drama há 5 anos. Neli foi franqueada do Boticário durante 24 anos em Campo Grande e conta que em 2006 a indústria reincidiu o contrato sem dar uma explicação.

Na época a empresária tinha 7 lojas e perdeu mais de 5 mil em produtos. “Quando foi reincidido o contrato eu fiquei proibida de comercializar as mercadorias se não pagaria uma multa de 5 mil por dia, demoraram tanto para buscar os produtos que acabou vencendo e eles não me ressarciram”, conta.

A indústria dos cosméticos fica em Curitiba (PR), a empresária morava na cidade quando veio de mudança para Campo Grande, já com a ideia de montar uma loja e revender os produtos do Boticário.

De acordo com a empresária, a primeira loja foi na rua 15 de novembro. “Eu fui uma das primeiras franqueadas do Boticário em nível de Brasil, a loja nasceu praticamente junto com a indústria, ninguém conhecia os produtos”, relembra Neli.

A empresária pagava para utilizar a marca e todas as despesas das lojas e funcionários era por conta da franqueada. “Eu tinha 80 funcionários no total, e a cada 7 anos tinha que trocar o leiaute, tudo era por minha conta”, disse.

Conforme Neli no começo o contrato foi de boca, depois de 10 anos que a empresária foi assinar os primeiros contratos.

“Quero ser ressarcida porque investi dinheiro, tempo e trabalho. Apostei num mercado que não existia e que ninguém conhecia, fazia propaganda de boca em boca, o boticário não tinha essa estrutura que tem hoje”.

A lei nº 8.955/94 determina que o franqueador deve fornecer uma série de informações através de um documento denominado circular de oferta de franquia.

Neli alega que nunca recebeu está circular de oferta de franquia. A empresária tem duas ações na justiça e espera que seja ressarcida pelo prejuízo. “Não foi só prejuízo financeiro, mas emocional. Afinal de contas foram 25 anos de muita dedicação”, finalizada Neli.

Fiscalização retira de supermercados marca reprovada de azeite de oliva
O azeite Conde de Torres, da empresa Ali Import Importação e Exportação, será recolhido de mercados e supermercados de Mato Grosso do Sul. Ele deve t...
Em dia de protestos, Petrobras anuncia novo aumento para o diesel e a gasolina
Os preços do diesel e da gasolina voltam a subir nas refinarias a partir de amanhã (22). Segundo informações do site da Petrobras, a gasolina subirá ...


dona nely, se a senhora precisar de testemunha neste processo, pode contar comigo, pois eu acompanhei a implantação de sua franquia em campo grande, alias, me parece, a primeira, ao lado do antigo restaurante a caseira, na rua 15.
 
dionizio vilalba em 16/02/2011 09:37:05
dona nely, se a senhora precisar de testemunha neste processo, pode contar comigo, pois eu acompanhei a implantação de sua primeira loja em campo grande, ha muito tempo, ao lado do extinto restaurante a caseira, na rua 15. estou a vossa disposição.
 
dionizio vilalba em 16/02/2011 09:34:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions