A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

19/04/2013 15:17

Empresas de saneamento pedem desoneração de PIS e Cofins

Nícholas Vasconcelos

A Aesbe (Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento) encaminhou o Congresso Nacional uma emenda a MP (Medida Provisória) 609/2013, que retirou impostos federais dos alimentos da cesta básica, para reverter os impostos PIS e Cofins em investimentos no setor. A proposta da entidade, que é chefiada pelo presidente da Sanesul, José Carlos Barbosa, é reverter 80% dos R$ 2 bilhões pagos anualmente para ampliação da rede água e esgoto no país.

De acordo com a emenda, apresentada pelo deputado Osvaldo Reis (PMDB/TO), será criado o Resane (Regime Especial de Investimento em Saneamento Básico), onde as empresas terão até 36 meses para usar os valores referentes aos dois impostos federais nos empreendimentos.

O dinheiro deve ser usado exclusivamente em infraestrutura ou na contrapartida em operações de empréstimos aos investimentos, e não poderá ser usado para custeio das empresas.

Segundo o deputado, o governo acerta ao desonerar diferentes setores, num total de R$ 300 bilhões em incentivos nos 2 últimos anos, mas não pode esquecer o princípio básico do direito do cidadão, que é o o acesso a água potável, coleta e tratamento do esgoto.

“A emenda na verdade é uma forma de investimento para o Governo Federal, já que a cada real investido em saneamento, o governo economiza R$ 4 reais. Atualmente o Brasil precisa de investimentos de R$ 17 bilhões por ano até 2030 para universalizar os serviços de saneamento básico, mas essas aplicações variam entre R$ 7 bilhões e R$ 8 bilhões anuais. Se for aprovada a emenda permitiria ao setor um aumento de 25% dos investimentos”, disse.

Dados do Governo Federal apontam que 20% da população ainda não tem acesso à água tratada. O problema mais grave é do esgoto, que atende 43% da população, com apenas 35% de tratamento. Em números absolutos, há 107 milhões de pessoas sem acesso à rede de esgoto sanitário, 134 milhões sem o esgoto de suas casas tratado, 40 milhões sem acesso à água tratada e 8 milhões sem banheiro.

Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas mostra que, com a universalização do acesso ao saneamento, haveria redução de 25% no número de internações e de 65% na mortalidade decorrentes de infecções gastrintestinais, com aumento de 30% no rendimento escolar.

Somente com as internações, seriam evitados gastos no valor de R$ 42 milhões ao ano apenas com as internações e nas empresas de R$ 309 milhões por ano em horas de trabalho pagas, mas não trabalhadas, em função de trabalhadores doentes com infecções gastrintestinais.

Agências têm até hoje para se credenciar para receber turistas chineses
Agências de turismo e viagens do Brasil que têm interesse em trabalhar com turistas chineses devem se habilitar junto ao Ministério do Turismo. O pr...
Receita Federal paga R$ 43 milhões no último lote do Imposto de Renda em MS
A Receita Federal paga nesta sexta-feira (15) o último lote do IRPF (Imposto sobre a Renda da Pessoa Física), de 2017, que contempla 30.300 contribui...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions