A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

28/10/2009 16:55

Estudo enfatiza desleixo da Receita em 2 pontos de MS

Redação

Depois de percorrer 6 mil quilômetros de fronteira, entre o Rio Grande do Sul e o Mato Grosso, o Sindireceita (Sindicato Nacional dos Analistas-Tributários da Receita Federal) denuncia em relatório o abandono dos postos da aduana no Brasil.

Dois locais destacados, como parte de um estudo que vai mapear todos postos no País, ficam em Mato Grosso do Sul.

Segundo a entidade, em Porto Murtinho, a unidade de fiscalização que fica às margens do rio Paraguai está praticamente abandonada pela Receita Federal.

Outro ponto fica em Corumbá, onde "as estradas de terra e trilhas abertas a menos de 100 metros da Receita Federal facilitam o contrabando e o tráfico de drogas, armas e munições na divisa do Brasil com a Bolívia", revela o relatório que será agora entregue à Frente Parlamentar de Modernização da Aduana, formada no Congresso.

O sindicato ironiza que a realidade ignorada pelas autoridades é de conhecimento dos contrabandistas e traficantes de droga, armas e munições, "que sabem que a chance de serem pegos nestes locais é praticamente zero".

O Sindireceita ressalta que a idéia com o estudo não é apenas revelar a verdade sobre a estrutura capenga da fiscalização no Brasil, mas também para apresentar soluções contra crimes e a pirataria de produtos.

"Nos últimos anos, a Receita Federal ocupou a linha de frente no controle das fronteiras e, em alguns pontos, é a única força do Estado brasileiro a atuar no combate ao tráfico de drogas, armas, munição, descaminho, contrabando e pirataria. Mesmo assim, tem agido de forma precária, com insuficiência de pessoal, sem equipamentos e em instalações inadequadas. A futura compra de scanners poderá atenuar esta situação, mas dificilmente resolverá a maioria destas questões", diz a entidade em nota à imprensa.

Entre as sugestões para garantir eficiência estão o uso de scanners; investimento em inteligência fiscal e policial, além do deslocamento e a contratação de mais servidores para as regiões de fronteiras, com a criação de adicionais de risco como estímulo à permanência desses funcionários públicos nessas áreas estratégicas.

Outra proposta defendida é a integração e o fim de rivalidade entre os órgãos de fiscalização e policiamento de fronteiras, ampliação do trabalho em conjunto com as polícias militar e civil.

O sindicato ainda reforça a importância do uso da diplomacia junto aos países que fazem fronteira com o Brasil, ações em conjunto com a Interpol e desenvolvimento de um Plano de Ação de Defesa.

Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...
Consumidor terá 30 dias para contratar serviço de esgoto antes de ser multado
Será apresentado às 9h de segunda-feira (18) um termo de parceria entre o Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions