A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

28/02/2011 23:29

Febraban aponta queda de 82% em casos de assaltos a bancos em 10 anos

Stênio Ribeiro, da Agência Brasil

O número de assaltos a agências bancárias de todo o país caiu 82% nos últimos dez anos, por causa da colaboração estreita da comissão de segurança dos bancos com as polícias estaduais e, às vezes, com a Polícia Federal, disse hoje (28) o diretor técnico da Febraban (Federação Brasileira de Bancos) Gutierrez.

Segundo ele, foram registrados 1.903 assaltos a agências em 2000, contra 337 casos no ano passado. Queda que, no seu entender, decorre basicamente da colaboração entre os diferentes agentes de segurança e das medidas de vigilância implantadas, que resultaram em gastos de R$ 9,4 bilhões pela rede bancária em 2010.

Entre as medidas mais efetivas de colaboração policial, ele disse que a Polícia Militar de São Paulo propôs, no ano passado, que policiais visitassem as agências para fazer palestras aos usuários e bancários sobre cuidados necessários para evitar a ação de assaltantes nas agências e para inibir os casos de “saidinha” (assalto nos arredores da agência, com a ajuda de “olheiros” que atuam dentro das agências).

Ele disse que a proposta foi imediatamente encampada pela Febraban. Os policiais paulistas começaram a campanha-piloto em agências na região de Mogi das Cruzes, com palestras e distribuição de folders com recomendações de segurança.

A campanha foi levada para a região metropolitana de São Paulo, em dezembro do ano passado, com “excelentes resultados”, segundo Gutierrez. Tanto que a Febraban quer estender a ação a todo o estado.

Segundo ele, esse tipo de colaboração mostra eficiência, ao contrário de propostas de projetos de lei que defendem a criação de biombos nos caixas para impedir a ação de “olheiros” e a proibição de uso de celulares, capacetes ou gorros dentro das agências. Como os vigilantes e os bancários não têm poder de polícia, ele diz que a sugestão é inócua.

O ideal, acrescentou, é a proibição de camelôs ou qualquer serviço que provoque aglomeração nas calçadas dos bancos, que facilitam a presença de “pessoas indesejáveis” nas proximidades.

O cuidado maior, disse ele, deve ser tomado pelo usuário, que deve evitar grandes saques e contatos com terceiros, além de não mostrar que sacou dinheiro e, quando possível, se fazer acompanhar em caso de saque de valor alto.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions