A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

15/03/2011 15:48

Fiesp atribui a MS e mais 9 estados "exportação" de 770 mil empregos

Marta Ferreira

Estudo divulgado ontem pela Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo) sobre a guerra fiscal atribuiu a Mato Grosso do Sul e a outros 9 estados a responsabilidade por ter exportado para outros países 771 mil empregos e ter reduzido o PIB nacional em 0,6% entre os anos de 2001 e 2009.

Isso aconteceu, conforme o estudo, graças ao incentivo à importação de produtos feita pelos governos de Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Tocantins.

Intitulado “Custos econômicos e sociais da guerra fiscal do ICMS na importação", o estudo afirma que que os benefícios fiscais concedidos aos produtos importados quando chegam nos portos estaduais configuram uma batalha ainda mais prejudicial do que a chamada guerra fiscal tradicional.

Em Mato Grosso do Sul, segundo o estudo, os benefícios fiscais concedidos aumentaram a participação estadual nas importantes nacionais de 0,6% para 2%, entre 2001 e 2009.

O crescimento fica ainda mais expressivo em valores. Conforme os dados do Ministério da Indústria e Comércio Exterior, no ano 2000, as compras no exterior sul-mato-grossenses foram de 55,5 milhões de dólares. Em 2009, foi alcançada a cifra de 2,9 bilhões de dólares.

Ao falar do estudo, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, disse, enquanto a guerra fiscal tradicional transfere emprego de um Estado para outro, a disputa nos portos gera vagas de trabalho no exterior e corta no Brasil.

Não é bem assim- Para consultor tributário Alexandre Bastos, a divulgação do estudo pela Fiems com esse viés da preocupação com os empregos reflete mais um aspecto da guerra fiscal.

Ele argumenta que a Federação do mais risco estado brasileiro só está preocupada com as importações porque elas significam perdas para a indústria daquele estado e que isso não ocorre, por exemplo, quando São Paulo decide dar benefícios fiscais a algum setor.

Bastos exemplifica com o alíquota sobre o setor pecuário. “São Paulo, frequentemente, aplica uma percentual muito baixo sobre o boi, o que, para o nosso estado, é impossível, pois é um produto muito forte da nossa economia”.

O advogado explica que as reduções nas tributações aplicadas pelo estado em geral são sobre maquinários e bens de capital, uma boa parte deles utilizados para melhorar a produção rural.

Nestes casos, o estado deixa de arrecadar ICMS, mas, como lembra Alexandre Bastos, acaba tendo, n o futuro, uma compensação em termos de incentivo da principal atividade econômica do Estado, a produção rural.

 Fiesp atribui a MS e mais 9 estados exportação de 770 mil empregos
Empresas têm até 20 de dezembro para optar pela antecipação do eSocial
Empresas podem optar pela antecipação da implantação do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSoci...
Prazo para regularizar débitos com fisco estadual vence na sexta-feira
Contribuintes que possuem débitos com o fisco estadual têm até sexta-feira (15) para aderirem ao Refis (Programa de Recuperação Fiscal) de Mato Gross...


Boa informação para o nosso Governo (MS), até processar a intrusa FIESP em assunto unico e esclusivo daqui...
A poderosa FIESP deveria sim influenciar o Governo de São Paulo, por uma ajuda generosa pelo uso das aguas que daqui fluem, e ajundam a gerar energia eletrica por lá... O resto não passa de pura provocação ao nosso ordeiro e prospero povo sulmatogrossense...
carioca.'.
 
jose carlos da silva.'. em 16/03/2011 08:00:13
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions